Compreender a Avaliação

Fundamentos para Práticas Educativas




Recomendar livro a um amigo
Colaboração com a entidade: Universidade de Lisboa
Colecção: Pedagogia e Educação

Sinopse:

Para que serve a avaliação? Quais as suas consequências? Em que medida ela dá prioridade a determinados aspectos da realidade, condicionando a existência de certas práticas? A avaliação alcança certezas ou procura credibilidade? A que tipos de justiça está ligada? Será que a avaliação processual/formativa pode ser utilizada formalmente para a classificação ou a selecção? Pode a avaliação processual assegurar o balanço de determinada formação? A partilha das decisões avaliativas aplica-se a qualquer situação ou contexto? Como concretizar a avaliação? Que pressões podem condicionar a avaliação? Que sentimentos e dilemas são desencadeados pelos actos avaliativos? Como conceber a formação em avaliação?… A leitura deste livro permite reflectir acerca de todas estas questões, e de outras agora não formuladas, através da discussão crítica de conceitos, teorias, modelos, princípios e práticas avaliativas, bem como entrar no mundo da avaliação que os professores perspectivam e fazem aos seus alunos, através de dados de uma investigação empírica que possibilita uma maior compreensão da avaliação realizada nas escolas e o delinear de uma tipologia dos professores em avaliação.

Índice:

Prefácio

Introdução

I – Os modelos de avaliação da aprendizagem face à valorização da sua dimensão formativa
1. Relações entre ensino democratizado e avaliação
2. Funções da avaliação
3. Paradigmas da avaliação da aprendizagem
3.1. Paradigmas da avaliação essencialmente orientados para a síntese e balanço das aprendizagens
3.1.1. Modelo psicométrico
3.1.2. Modelo docimológico
3.1.3. Paradigma da avaliação centrada nos objectivos
3.2. Tendências da avaliação especialmente orientadas para a análise da aprendizagem
A) Vertente da regulação convergente ou cibernética
3.2.1. Modelo da avaliação formativa de regulação retroactiva
3.2.2. Modelo da avaliação referida a desempenhos ou competências
B) Vertente da regulação divergente ou interactiva
3.2.3. A avaliação formativa de regulação interactiva
3.2.4. Dispositivo da avaliação formadora
3.2.5. A avaliação comunicacional, mediadora ou negociada
3.2.6. Avaliação como regulação dos processos cognitivos, metacognitivos e motivacionais: a aprendizagem auto regulada
3.2.7. Perspectiva da avaliação ecológica
C) Vertente que integra as regulações formativas convergente e divergente
3.2.8. Perspectiva da avaliação qualitativa
3.2.9. Modelo da avaliação formativa na aula
3.3. Registo sinóptico dos diferentes modelos de avaliação da aprendizagem
Síntese

II – Justiça, rigor e objectividade na avaliação
1. O rigor e a objectividade na avaliação
2. O bem e a justiça como valores morais essenciais da avaliação
3. O acto de julgar
3.1. Sentidos do acto de julgar
3.2. Referentes e/ou critérios de clarificação do julgamento
4. Mecanismos de distorção do julgamento
Síntese

III – Procedimentos facilitadores da auto regulação da aprendizagem
1. Influência das concepções de aprendizagem nas práticas de avaliação
2. Diversidade de procedimentos e de instrumentos de avaliação
2.1. Visão geral das estratégias e dos instrumentos de avaliação
2.2. A dinâmica da avaliação no trabalho por projectos
2.3. O portefólio ou dossier
2.4. A aprendizagem auto regulada
3. Obstáculos ao desenvolvimento de paradigmas de avaliação centrados no aluno
Síntese

IV – Concepções e práticas dos professores em avaliação da aprendizagem
1. Sentido e importância do estudo das representações dos professores
2. Visão dos professores sobre as relações avaliação ensino e formação selecção
3. Utilidade da avaliação para o professor
4. Estratégias de avaliação usadas pelos professores
4.1. Instrumentos de avaliação privilegiados pelos professores
4.2. Percursos para a atribuição de notas
4.3. Decisões de avaliação partilhadas pelos professores
5. Natureza e áreas dos referentes e/ou critérios utilizados pelos professores na avaliação
5.1. Papel que os critérios desempenham ao nível da justiça, do rigor e da objectividade na avaliação
5.2. Carácter explícito dos critérios de avaliação
5.3. Critérios de avaliação privilegiados pelos professores
5.4. Posição dos professores face à divergência e à definição institucional de referentes e/ou critérios de avaliação
6. Tensões e problemas de avaliação sentidos pelos professores
7. Paradigma da avaliação praticada pelos professores
8. Forma como os professores encaram a avaliação dos colegas
9. Desafios colocados à formação dos professores
9.1. Competências docentes ligadas à avaliação
9.2. Posição dos professores face à qualidade da formação recebida
9.3. Exemplo de um programa de formação em avaliação
Síntese

V – Estudo de perspectivas e práticas avaliativas de professores do ensino básico
1. Esboço de uma tipologia dos professores do ensino básico relativamente às suas perspectivas em avaliação da aprendizagem
2. O discurso dos professores sobre a avaliação da aprendizagem em diferentes momentos do ano lectivo
3. A objectividade/subjectividade da avaliação no discurso docente
4. Natureza e importância dos referentes e/ou critérios da avaliação
4.1. Discurso sobre as decisões e critérios de avaliação
4.2. Práticas de atribuição de notas
5. Dimensão ética da avaliação
6. As avaliações formativa e sumativa na aprendizagem escolar
7. Instrumentos de avaliação
8. A importância da partilha de informações nas decisões avaliativas
9. Aspectos afectivos ligados à prática da avaliação da aprendizagem
10. Percepção de como avaliam os outros docentes
11. Evolução das práticas de avaliação dos próprios professores
12. Possíveis formas de conceber e de concretizar a avaliação da aprendizagem
13. Formação dos professores em avaliação

Conclusões

Referências bibliográficas


SOBRE A AUTORA:

Margarida da Silva Damião Serpa é doutorada em Ciências da Educação, especialidade de Desenvolvimento Curricular/Avaliação Educacional, pela Universidade dos Açores, e investigadora no Centro de Estudos Sociais da mesma universidade.

Detalhes:

Ano: 2010
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 341
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-012-4
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Matos
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

24/08/2017
O BARRANQUENHO - Língua, Cultura e Tradição, da autoria de María Victoria Navas
LANÇAMENTO: Dia 24 de Agosto de 2017 (5.ª feira), às 21h00, no Museu Municipal de Arqueologia e Etnografia, em Barrancos

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99