Nas Trincheiras da Flandres

Com Deus ou sem Deus, eis a Questão




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

O presente estudo incide sobre a questão da assistência religiosa em campanha durante a Primeira Guerra Mundial, quando os governos da novel República defendiam que a religião respeitava somente ao foro privado, devendo estar afastada de instituições primordiais como eram a escola e o exército. Numa conjuntura em que seria difícil para o Estado incorrer no desagrado da maioria da população que não se conformava com a ausência de um representante de Deus na hora suprema da morte, os católicos, bem como a pequena mas dinâmica comunidade protestante, conseguiram ter na frente de batalha, como voluntários, os seus “missionários”. No enorme caldeirão da guerra, debateram-se, assim, livres-pensadores que viviam a descrença com um fervor de autênticos crentes, capelães católicos e pregadores protestantes, cada um lutando pela sua verdade. O estudo revela um outro lado da Guerra, com soldados portugueses e soldados ingleses a rezarem em conjunto nos mesmos espaços; capelães portugueses a oficiarem perante populações francesas, em colaboração com o clero local; grupos de leigos franceses a participarem na liturgia ao lado dos combatentes portugueses, levantando para o céu os mesmos cânticos.

Índice:

1. A questão da assistência religiosa em campanha
2. A guerra como via para a moralização e a regeneração da sociedade
3. A organização dos católicos
3.1. A comissão central de assistência religiosa em campanha
4. Capelães e soldados – na zona das trincheiras
4.1. A acção patriótica dos capelães
4.2. O relacionamento com os oficiais
4.3. A preocupação com as horas de lazer dos soldados
– A Casa do Soldado
4.4. Em combate – a batalha de La Lys
4.5. Um corpo de capelães cada vez mais reduzido
4.6. Diligências para aumentar o número de padres
– de Norton de Matos a Sidónio Pais
4.7. O alargamento do espaço assistencial
4.8. As exéquias na Sé Patriarcal
4.9. Depois do armistício
4.10. Os colaboradores dos capelães
5. Os protestantes e a assistência religiosa aos combatentes
da guerra europeia
5.1. O Triângulo Vermelho Português
5.2. Protestantes e católicos
6. Os capelães em África
Nota Final
Fontes e Bibliografia


A AUTORA:
Maria Lúcia de Brito Moura é doutorada em História Contemporânea pela Universidade de Coimbra e membro do CEHR - Universidade Católica Portuguesa.
Nos últimos anos a sua investigação tem-se centrado, especialmente, sobre as clivagens provocadas na sociedade portuguesa pelo programa laicizador republicano, privilegiando o estudo das resistências populares à execução de tal desiderato. Tem igualmente integrado projectos de investigação no âmbito das relações entre Estado e Igreja nos séculos XIX e XX, bem como acerca do papel das mulheres nas lutas ideológicas da primeira metade do século XX.
Dos trabalhos publicados nestas áreas, destaca-se A Guerra Religiosa na Primeira República. Crenças e mitos num tempo de utopias.

Detalhes:

Ano: 2010
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 130
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-031-5
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
05/06/2017
CONCELHO DE TONDELA – HERÁLDICA, HISTÓRIA E PATRIMÓNIO, de Luís Ferros, Manuel Ferros e Rui do Amaral Leitão
BREVEMENTE DISPONÍVEL

31/05/2017
ECLÉTICA II - em formação (Regulamento)
INFORMAÇÃO DETALHADA: clique em "links" *ECLÉTICA II, nesta página

26/05/2017
PATRIMÓNIO E TURISMO, de José Manuel Figueiredo Santos
LANÇAMENTO: dia 26 de Maio de 2017 (6.ª feira) às 18h00, em Portimão. Apresentação: Prof.ª Doutora Alexandra Rodrigues

25/05/2017
FOLHAS SOLTAS DE UMA VIDA, da autoria de Laura Lopes
LANÇAMENTO: dia 25 de maio (5.ª feira) de 2016, às 18h00, na Associação 25 de Abril, em Lisboa. Apresentação: Rui Namorado Rosa

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99