Inquisición Portuguesa y Monarquia Hispânica en Tiempos del perdón general de 1605




Recomendar livro a um amigo
Colaboração com a entidade: CIDHEUS – Universidade de Évora

Sinopse:

No início do reinado de Felipe III (1598-1621, as relações entre a Monarquia Hispânica e a Inquisição Portuguesa entraram numa nova fase caracterizada por constantes desacordos. O conflito provocado pelo perdão geral que os cristãos novos solicitavam foi acompanhado por outros motivos de tensão entre a Coroa e o Santo Ofício. Deste modo, nos cinco anos que mediaram entre 1599 e 1604, sucederam-se quatro inquisidores gerais, a Coroa projectou a reforma do Tribunal e proibiu se em várias ocasiões a celebração de autos de fé. Simultaneamente multiplicaram se as tensões entre a Inquisição e a Santa Sé, em resultado das apelações feitas por alguns cristãos novos ao Sumo Pontífice. Para solucionar o problema da oposição do Santo Ofício às resoluções da monarquia, Felipe III recorreu a um homem de comprovada fidelidade à Casa de Áustria. Tratava se de Pedro de Castilho, bispo de Leiria, que aceitou executar o perdão geral concedido aos cristãos novos. Assim, a partir de 1605 o Santo Ofício, sob o governo de Castilho, iniciou uma etapa de recuperação do seu poder e prestígio. Mediante a submissão aos desígnios da Coroa à colaboração com os ministros mais influentes – o Duque de Lerma, o Marquês de Castelo Rodrigo e o secretário Fernão de Matos – o novo inquisidor geral conseguiu recuperar a confiança do monarca no Santo Ofício, conseguindo substituir a reforma externa da Inquisição, que tinha sido planeada em Valladolid, por uma reforma a partir do interior do próprio Tribunal que culminou com a reorganização do Conselho Geral e a publicação, em 1613, do novo Regime do Santo Ofício.

Índice:

Abreviaturas
Introducción


PRIMERA PARTE
AÑOS DE TRIBULACIÓN (1591-1605)

Capítulo 1: Hacia el perdón general

Capítulo 2: El conflicto de las apelaciones

Capítulo 3: La reforma del Santo Oficio y del fisco inquisitorial

Capítulo 4: La Inquisición huérfana


SEGUNDA PARTE
TIEMPO DE RESTAURACIÓN (1605-1615)

Capítulo 5: La sujeción de los cristãos novos

Capítulo 6: La lucha contra las eregias destes tempos

Capítulo 7: La expansión jurisdiccional

Capítulo 8: La consolidación del tribunal

Capítulo 9: El Regimento de 1613

Conclusión

Fuentes

Bibliografía

Índice onomástico

Detalhes:

Ano: 2010
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 236
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-039-1
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Matos
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

24/08/2017
O BARRANQUENHO - Língua, Cultura e Tradição, da autoria de María Victoria Navas
LANÇAMENTO: Dia 24 de Agosto de 2017 (5.ª feira), às 21h00, no Museu Municipal de Arqueologia e Etnografia, em Barrancos

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99