O Médico Político

Ou tratado sobre os deveres médico-políticos




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Rodrigo de Castro

Sinopse:

Estaremos porventura hoje em melhores condições para entender o título que Rodrigo de Castro deu ao seu livro, medicus politicus. Trata-se de saber qual a função da medicina dentro da pólis, da cidade, e, por conseguinte, como é que o médico pode alcançar a sua perfeição individual no seio da comunidade em que vive. Para Rodrigo de Castro é evidente que a medicina é uma actividade social ou, se quiserem, política, e que, por conseguinte, o médico não pode lograr a sua perfeição moral individualmente, autonomamente, mas tão-só no interior da sua comunidade natural. Só aperfeiçoando esta se aperfeiçoará a si mesmo. Diego Gracia

Índice:

Rodrigo de Castro, Medicus Politicus
Diego Gracia

A perfeição da arte médica
Adelino Cardoso


O MÉDICO POLÍTICO

Livro Primeiro

Capítulo I. Argumento da obra e propósito do autor
Capítulo II. Definição do médico e da medicina – O médico deve ser racional
Capítulo III. É preciso que o médico não só seja, mas seja considerado um homem bom e sábio
Capítulo IV. Refuta se a seita dos Empíricos
Capítulo V. Apresenta se e refuta se a seita dos Metódicos
Capítulo VI. Expõe se e rejeita se a seita dos Químicos
Capítulo VII. Contra aqueles que sustentam que nem os médicos nem a medicina fazem falta à República
Capítulo VIII. Refutam se, além do mais, várias razões dos adversários contra a medicina e contra os médicos
Capítulo IX. Esclarece se passo do Eclesiastes segundo o qual a medicina pertence a Deus
Capítulo X. A ciência do médico é nobre. Que lugar ocupa na ordem das ciências
Capítulo XI. Compara se a arte médica com a arte militar e com a agricultura
Capítulo XII. Comparação da jurisprudência com a medicina


Livro II

Capítulo I. Ciências necessárias ao médico
Capítulo II. Se a astrologia é útil e necessária ao médico
Capítulo III. É conveniente que o médico seja cirurgião
Capítulo IV. É indecoroso que o médico exerça as funções de farmacêutico
Capítulo V. Que lugar há de ter na medicina cada uma das referidas disciplinas
Capítulo VI. Origem e progresso da arte medica
Capítulo VII. Compara se a medicina com a agricultura e discute se por que razão deve ser cultivada
Capítulo VIII. Os três géneros de ciência
Capítulo IX. Que autores se devem compulsar e qual deve ser a biblioteca do médico
Capítulo X. Se, em razão da experiência, um velho médico é mais eficiente do que um jovem
Capítulo XI. Deve preferir se a razão à autoridade
Capítulo XII. Compara se a arte com a natureza e com a prudência natural
Capítulo XIII. O costume. E se na cura deve ser tido em conta o seu ponto de vista
Capítulo XIV. Compara¬ se a sorte com a arte e explica se o que ela é
Capítulo XV. Se os médicos com saúde perfeita são mais úteis do que os médicos com doenças e os ricos, do que aqueles que têm menos fortuna


Livro III

Capítulo I. Vícios que o médico deve evitar acima de tudo
Capítulo II. Avareza, soberba e inveja são vícios que o médico deve evitar acima de tudo
Capítulo III. Virtudes de que convém que o médico seja dotado
Capítulo IV. Modo de vestir, aparência e acesso do médico ao doente
Capítulo V. Primeiro contacto do médico com o doente: a atenção, a cautela, sagacidade, a providência que deve observar
Capítulo VI. Alguns preceitos muito úteis quanto às acções do médico para com os pacientes
Capítulo VII. A providência e a cautela do médico em relação ao prognóstico, por cuja razão se relatam alguns casos imprevistos e inesperados
Capítulo VIII. Até que ponto e em que circunstâncias devem os doentes ser gratificados
Capítulo IX. Se é licito que o médico engane o doente por razões de saúde
Capítulo X. A uromancia ou inspecção das urinas. Revelam se fraudes várias de charlatães e erros do vulgo
Capítulo XI. Exercício de julgar a partir da urina, ou os cuidados a ter com a observação da urina
Capítulo XII. Qual a parte dos doentes ou qual a parte dos assistentes no tratamento das doenças
Capítulo XIII. Como deve proceder o médico com aqueles que não estão em seu perfeito juízo
Capítulo XIV. Não se deve visitar os doentes, a não ser que o peçam. Por quanto tempo se devem visitar aqueles que o pedem
Capítulo XV. É lícito ao médico negar ajuda a quem lha pede?
Capítulo XVI. Se é vantajoso desprezar os ingratos; e que o médico exerça, por vezes, outras artes
Capítulo XVII. Devem os incuráveis ser definitivamente abandonados?
Capítulo XVIII. Não deve assumir se a cura de doenças incuráveis e quais elas são
Capítulo XIX. Não deve ser recebido para tratamento um grande número ao mesmo tempo
Capítulo XX. Será que as conferências dos médicos são úteis? Por que razão se devem fazer?
Capítulo XXI. Como deve o médico comportar se ao receber a retribuição
Capítulo XXII. Os magníficos estipêndios dos médicos
Capítulo XXIII. Pode um médico ser levado à justiça e sofrer uma pena por remédios mal administrados?
Capítulo XXIV. O conhecimento do verdadeiro e do falso médico

Livro IV

Capítulo I. O Encantamento
Capítulo II. Os Filtros
Capítulo III. Alexíacos, ou seja, Curandeiros
Capítulo IV. O corpo humano tem uma espantosa semelhança com o céu e com o mundo inferior
Capítulo V. O mundo tríplice e porque no homem se encontra a mais bela imagem de cada um
Capítulo VI. O corpo humano mostra uma extraordinária semelhança com uma República bem governada
Capítulo VII. As propriedades ocultas de algumas coisas
Capítulo VIII. Fica bem a um médico experiente e sábio a piada, o dito jocoso?
Capítulo IX. De que modo podem ser desmascarados aqueles que simulam a doença
Capítulo X. Método de testemunhar sobre aqueles a quem foi dado veneno
Capítulo XI. Normas para atestar nos ferimentos na cabeça e em relação àqueles que foram afogados
Capítulo XII. Como se reconhece a virgindade perdida e a esterilidade de cada um dos cônjuges
Capítulo XIII. Modo de se pronunciar sobre escravos a serem transaccionados
Capítulo XIV. Para se mostrar que a música se usa nas doenças de maneira não menos útil do que honesta e prudente, avançam se os seus encómios
Capítulo XV. Assinalam se e rejeitam se os abusos da música
Capítulo XVI. Comprova se a excelência e a utilidade da música com razões, com testemunho de autores e com experiências

O AUTOR:
Rodrigo de Castro (1546-1627), filho de António Fernandes de Castro, médico, e de uma senhora de apelido Vaz, que tinha três irmãos médicos, nasceu em Lisboa, formou-se em Salamanca, exerceu medicina na sua cidade natal, mas se notabilizou como médico e como autor em Hamburgo, cidade onde se fixou por volta de 1590, após uma curta passagem por Antuérpia, para fugir à perseguição movida aos judeus por Filipe II de Espanha, que anexou Portugal no seu Reino.

Detalhes:

Ano: 2011
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 302
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-096-4
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
16/12/2017
CONTOS PRÓDIGOS (e outros) VADIOS, da autoria de Conceição Oliveira
LANÇAMENTO: dia 16 (sábado) de dezembro de 2017, pelas 16h00, na Biblioteca Municipal de Aveiro

16/12/2017
EM NOME DO FILHO, da autoria de Manuel da Luz
LANÇAMENTO: Dia 16 de Dezembro de 2017 (sábado), às 15h15, no Museu de Portimão. Apresentação: Dr.ª Dália Paulo

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99