Que Nem uma Flor por Abrir




Recomendar livro a um amigo
Temas: Contos

Sinopse:

«Diga-se a propósito que os hospitais, importa pouco onde estejam e a dimensão que tenham, são espaços onde há muito mais do que doenças e aplicações de terapêuticas: locais que têm a ver com relações sociais entre pessoas postas em confronto em determinadas circunstâncias, onde participam, de um lado os médicos, os enfermeiros e o pessoal auxiliar, do outro quem carece da atenção, da competência e do empenhamento desses profissionais. São mundos deveras complexos, que acolhem gente de muitas origens, de várias proveniências, de educação, sensibilidade e habilitação distintas. Velhos e novos, dos que têm muitas, poucas ou nenhumas letras, dos que têm bom ou mau carácter, dos que vêm da cidade ou do campo — toda essa gente, tão desigual no que é, no que pensa e no que faz, reúne-se aí um dia, quando é vítima de alguma moléstia.» [Do autor, in À Maneira de Introdução]

Índice:

Prefácio
À maneira de introdução
Sem direito à identidade
Entre a raiva e o carinho
Não vale a pena ter vergonha
Mais para lá do que para cá
Uma língua desatada
Não quero morrer!
À hora das visitas
Doente, mas com apetite
Com inhos e inhas em profusão e na primeira pessoa do plural
Se não, ficam a chuchar no dedo
As primeiras férias
Tampões para os ouvidos
Uma concorrência atenta e invejosa
Acordar e adormecer de novo
Que nem uma flor por abrir


O AUTOR:

Inácio Rebelo de Andrade nasceu em Angola, no Huambo. É licenciado em Agronomia pela Universidade de Luanda e doutorado em Engenharia Agronómica pela Universidade Técnica de Lisboa.
Consultor da UNESCO, com cerca de 40 títulos publicados sobre temas da sua especialidade, integra o Conselho de Redacção da Revista “Economia e Sociologia”, do instituto Superior Económico e Social de Évora, e ainda o Conselho de Consultores Científicos da Revista “Episteme” (Revista Multidisciplinar da Universidade Técnica de Lisboa).
Professor Catedrático Aposentado da Universidade de Évora, é membro da Sociedade de Geografia de Lisboa, da União dos Escritores Angolanos e da Associação Portuguesa de Escritores.

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 222
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-192-3
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
16/12/2017
CONTOS PRÓDIGOS (e outros) VADIOS, da autoria de Conceição Oliveira
LANÇAMENTO: dia 16 (sábado) de dezembro de 2017, pelas 16h00, na Biblioteca Municipal de Aveiro

16/12/2017
EM NOME DO FILHO, da autoria de Manuel da Luz
LANÇAMENTO: Dia 16 de Dezembro de 2017 (sábado), às 15h15, no Museu de Portimão. Apresentação: Dr.ª Dália Paulo

16/12/2017
ANARQUISMO MODERNO, MAS NÃO PÓS-MODERNO, Org: António Cândido Franco, Carlos Abreu, João Freire, Manuela Parreira da Silva, Maria Alexandre Lousada
LANÇAMENTO: Dia 16 de Dezembro de 2017 (sáb.), às 15h00, no Museu do Aljube, em Lisboa. Apresentação: José Bragança de Miranda

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99