Ficção e História na Literatura Angolana – o caso de Pepetela




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Inocência Mata

Sinopse:

No presente trabalho, Inocência Mata explora as relações entre a literatura, a história, o repensar da Nação Angolana e da sua criação, na minha obra. Como autor devo dizer que muito dificilmente seria de outra maneira. A minha geração foi privilegiada por ter tido que fazer opções dramáticas. Em contraponto encontramos outras gerações que perdem os objectivos ou que nunca chegam a ter algum, o que me parece um vácuo demasiado doloroso, simplesmente desumano. Por ter de fazer esse tipo de opções (lutar ou não lutar contra a situação colonial, pegar em armas ou trabalhar no exílio frio, desertar ou continuar num exército de ocupação colonial, etc., etc.) a literatura da minha geração está “contaminada” por essas opções pessoais. Daí o socorrer-se do passado para pensar o presente e perspectivar o futuro, daí o interesse pelos problemas que fracturam a sociedade, daí a ligação quase indispensável com o facto político. Os meus livros não podiam ser excepção. Pelo menos até certa altura da minha vida. Penso ser isso que inspirou a minha amiga Inocência, aliás como alguns outros estudiosos. Pepetela (“Prefácio”).

Índice:

Agradecimentos

Dedicatória

PREFÁCIO (Pepetela)

INTRODUÇÃO


I PARTE
DEFINIÇÃO DOS CAMPOS TEÓRICOS EM ESTUDO

Vieses de um recorte cultural
1. A historicidade textual
2. Os meandros da pós colonialidade literária


II PARTE
LITERATURA E HISTÓRIA: O CASO DE ANGOLA

Pelos trilhos literários do processo histórico angolano
1. Breve panorâmica
2. Pelos trilhos da História: um processo de escalpelização

Cartografias da identidade
1. A instituição literária e as matrizes da angolanidade
2. Os interditos coloniais da identidade literária
3. A espessura prospectiva da identidade literária
4. A desorientação dos mapas identitários pós coloniais

III PARTE
FICÇÃO E HISTÓRIA NA OBRA DE PEPETELA

Vectores de geografias históricas
1. O discurso da História como construção do futuro
2. Os limites da imparcialidade do discurso da História
3. Duas lógicas na textualização do passado: a convenção da veracidade e a convenção da ficcionalidade
4. A pragmática da escrita histórica
5. A substância da representação do factual e a rarefacção do referencial na escrita pepeteliana
6. Vectores do sistema pepeteliano da História
6.1. Da História à estória: A Gloriosa Família
6.2. O vector oral do registo transdiscursivo em Lueji
6.3. A aura da voz no registo da História
6.4. A derivação colonial da identidade cultural: Yaka
7. Ressonâncias do futuro: ecos do passado em vozes do presente

Lugares da utopia da escrita
1. Lugares e tempos de utopia
2. Calpe: a utopia num mundo imperfeito
3. Do Mayombe à Caotinha: caminhos da distopia
4. A Munda e a suspensão da descrença
5. Tempos (de) adventos: uma corografia do futuro
6. Da escrita da utopia à utopia da escrita
7. Da utopia da escrita ao devir da heterotopia
8. De utópicos a profetas: Sem Medo e Aníbal, ecos de um futuro adivinhado
9. Para além da ficcionalidade: a construção do processo autoral na ficção pepeteliana
CONCLUSÃO
POSFÁCIO (Laura Cavalcante Padilha)
BIBLIOGRAFIA
O AUTOR (Breves notas biobliblográficas)



A AUTORA:
Inocência Mata é professora da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com pós-doutoramento em Estudos Pós-coloniais. Membro do Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa e Membro Correspondente da Academia das Ciências de Lisboa. Tem vários livros publicados e dezenas de ensaios publicados em revistas de especialidade nacionais e estrangeiras, centrando-se a sua actual área de pesquisa nas literaturas pós-coloniais, na questão do pós-colonialismo e metodologias críticas, em questões de identidade, etnicidade e género, multiculturalismo e dinâmicas identitárias em processos de encontro cultural e contextos multiculturais. Porém, o estudo das literaturas africanas e o seu ensino continuam a ser o campo de pesquisa privilegiado.

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 386
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-033-9
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
28/11/2017
E ANICETO VEM À LUZ, da autoria de Joseia Matos Mira
LANÇAMENTO: Dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa. Apresentação: Fernando Couto e Santos

28/11/2017
CONVERSAS SOBRE HISTÓRIA DA MÚSICA, da autoria de Jorge Costa Pinto
LANÇAMENTO: dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), entre as 11h30 e as 12h30, na Salão Nobre Academia Sénior, na Parede

27/11/2017
ROMEU CORREIA, com coordenação de Edite Simões Condeixa
LANÇAMENTO: Dia 27 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada. Apresentação: Vitor Fernandes – poeta e romancista

25/11/2017
ANTÓNIO MARIA LISBOA – Eterno Amoroso, da autoria de Joana Lima
LANÇAMENTO: dia 25 de Novembro de 2017 (sábado), às 17h00, na Livraria Letra Livre, Galeria Zé dos Bois, em Lisboa

20/11/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 20 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, Auditório da Reitoria da Universidade da Madeira. Apresentação – Marcelino de Castro (Director da Revista Islenha)

18/11/2017
ANGOLA – O 4 de Fevereiro de 1961 em Luanda e Outras Memórias, da autoria de César Gomes
LANÇAMENTO: dia 18 de Novembro de 2017 (sábado), às 15h30, Auditório do Hotel Solverde, Granja (Espinho)

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99