Álvaro de Campos

Autobiografia de uma Odisseia Moderna




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Na verdade, nota-se aqui um caso de intimidade estreita entre Campos e Pessoa, como se à mesma tribo do sentir e do recordar pertencessem. Contrariamente aos heterónimos Caeiro e Reis, que se organizam muito mais de acordo com uma atitude vital de cariz homogéneo, a evolução de Campos segue um caminho não só marcado por flutuações tonais – ao modo dos outros heterónimos – mas, mais significativamente, por dissociações internas, desdobramentos congeminadores e, acima de tudo, pela experiência desfamiliarizante da sua consciência fragilizada, desestruturada mesmo, perante o Outro. Quer dizer: a sua angústia tem a história e a opacidade dos seres vivos. Triste privilégio de uma sombra de papel a despertar não no real mas afinal na mágoa incontornável da vida.

Índice:

Parte I
Primeira Peripécia à guisa de Introdução: O Teatro das Biografias: Os conceitos de odisseia e de desfamiliarização
A. Primeiro Passo: a caminho de uma teoria
B. Segundo Passo: com um auto retrato na mala

Segunda Peripécia: O Teatro do Mesmo e do Outro: a caminho do significado cultural da odisseia através do herói homérico

Terceira Peripécia: O Teatro do Ser e do Nada no “Ulisses” da Mensagem

Quarta Peripécia: O Teatro da Ironia nas Notas para a Recordação do meu Mestre Caeiro: Campos, Caeiro, Pessoa e a Destruição da Literatura

Quinta Peripécia: O Teatro das Identidades: um exame das Cartas de Fernando Pessoa a João Gaspar Simões e o Fingimento Epistolar

Parte II
Excursus sobre alguma poesia de Álvaro de Campos
Embarcações

Primeiro Naufrágio: a Desfamiliarização da Palavra: Álvaro de Campos, o Inadequado, no poema “Saudação a Walt Whitman”

Segundo Naufrágio: a Desfamiliarização do Ser: Álvaro de Campos: o Inacabado…

Terceiro Naufrágio: a Desfamiliarização do Destino: Álvaro de Campos, o Esvaziado: a “Tabacaria” à guisa de conclusão

Epílogo: Nova Embarcação (esboço)

Bibliografia

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 262
Formato: 16x23
ISBN: 978-989-689-200-5
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
28/11/2017
E ANICETO VEM À LUZ, da autoria de Joseia Matos Mira
LANÇAMENTO: Dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa. Apresentação: Fernando Couto e Santos

28/11/2017
CONVERSAS SOBRE HISTÓRIA DA MÚSICA, da autoria de Jorge Costa Pinto
LANÇAMENTO: dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), entre as 11h30 e as 12h30, na Salão Nobre Academia Sénior, na Parede

27/11/2017
ROMEU CORREIA, com coordenação de Edite Simões Condeixa
LANÇAMENTO: Dia 27 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada. Apresentação: Vitor Fernandes – poeta e romancista

25/11/2017
ANTÓNIO MARIA LISBOA – Eterno Amoroso, da autoria de Joana Lima
LANÇAMENTO: dia 25 de Novembro de 2017 (sábado), às 17h00, na Livraria Letra Livre, Galeria Zé dos Bois, em Lisboa

20/11/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 20 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, Auditório da Reitoria da Universidade da Madeira. Apresentação – Marcelino de Castro (Director da Revista Islenha)

18/11/2017
ANGOLA – O 4 de Fevereiro de 1961 em Luanda e Outras Memórias, da autoria de César Gomes
LANÇAMENTO: dia 18 de Novembro de 2017 (sábado), às 15h30, Auditório do Hotel Solverde, Granja (Espinho)

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99