Nova Síntese, n.º 6 (2011)

textos e contextos do neo-realismo




Recomendar livro a um amigo
Directores: Vítor Viçoso
Colaboração com a entidade: Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Sinopse:

Manuel da Fonseca (Santiago do Cacém, n. 1911 – m. 1993) é um nome maior do neo-realismo literário português. Na obra do escritor, a navegação pelo mundo faz-se com a limpidez das imagens sobre a infância e sobre a paisagem que não lhe abrandam o compromisso com as dores e os sonhos dos homens. Comunicando com o seu tempo, reinventando a tradição, decantando a escrita, Manuel da Fonseca é um autor com lugar próprio e uma referência na literatura portuguesa do século XX. Em 2011, várias instituições celebraram o centenário do nascimento do escritor com iniciativas de carácter diverso. Numa parceria que se revelou proveitosa, o Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a Associação Promotora do Museu do Neo¬ Realismo, o Museu do Neo-Realismo, a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira e a Câmara Municipal de Santiago do Cacém congregaram esforços para organizar um Congresso Internacional, comemorativo dessa efeméride. O Congresso adoptou o nome “Manuel da Fonseca – Por todas as Estradas do Mundo”, título da Exposição ao tempo patente no Museu do Neo-Realismo; este título, tal como consta no Catálogo, «faz referência a esse ímpeto de descoberta dos caminhos da humanidade» que pautou a vida e a escrita do autor. Foi realizado nos dias 7, 8 e 9 de Outubro de 2011, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no Museu do Neo¬ Realismo (Vila Franca de Xira) e no Auditório António Chainho (Santiago do Cacém), respectivamente. As conferências e comunicações foram complementadas pelas seguintes actividades culturais: exibição do filme Cerromaior (1980), com comentários do realizador, Luís Filipe Rocha; recital de poesia de Manuel da Fonseca; visita/roteiro a espaços emblemáticos da obra do escritor, em Santiago do Cacém. **** (da Introdução)

Índice:

1. MANUEL DA FONSECA POR TODAS AS ESTRADAS DO MUNDO

Nota Introdutória
As raízes do lugar, a memória e a errância na obra de Manuel da Fonseca
por Vítor Viçoso
A voz transgressiva na poesia de Manuel da Fonseca
por Manuel G. Simões
A obra poética de Manuel da Fonseca no contexto da poesia novecentista portuguesa: achegas para a sua compreensão
por Fernando J. B. Martinho
A poesia de Manuel da Fonseca e o Alentejo
por Manuel Gusmão
Leituras do Neo Realismo: Planície e Aldeia Nova
por Fernando Guimarães
Na justa proporção: brevidade e intensidade na contística de Manuel da Fonseca
por Cristina Almeida Ribeiro
“Um Anjo no Trapézio” de Manuel da Fonseca – um filme “literário” em 19 sequências
por Mário Jorge Torres
Manuel da Fonseca e a escrita da violência
por Carina Infante do Carmo
“Bichos no fojo”, sob a “luz do sol” em “campos abertos de espanto e sonho”: imagens de aprisionamento e de ruptura na obra de Manuel da Fonseca
por Michele Dull Sampaio Beraldo Matter
A maltesia na ficção de Manuel da Fonseca
por Maria da Glória Alhinho dos Santos

Manuel da Fonseca, leitor de Fialho de Almeida: metamorfoses de grotesto em Seara de Vento
por Isabel Cristina Mateus
Ressonâncias lorquianas na poesia de Manuel da Fonseca e Miguel Torga
por Dora Gago
Manuel da Fonseca e o Neo Realismo italiano (Cerromaior, Fontamara e outros romances rurais italianos dos anos 30 e 40)
por José Manuel de Vasconcelos
Escritor, argumentista e actor: Manuel da Fonseca e os ventos do cinema
por David Santos
A visualidade em Manuel da Fonseca: um diálogo entre narratividade imagética e representação plástica
por Luísa Duarte Santos
A experiência neo realista do tempo histórico e o exercício pessoal da memória na poesia de Manuel da Fonseca
por João Laranjeira Henriques
Manuel da Fonseca: um intelectual comunista?
por João Madeira


2. SOBRE LIVROS APRESENTADOS EM SESSÕES ORGANIZADAS
PELA ASSOCIAÇÃO PROMOTORA DO MUSEU DO NEO REALISMO

Poesia do Socialismo Português, de Sílvio Castro
por Manuel G. Simões
Poesia Socialista: Quando a Palavra Cantante Ilumina o Homem e o Seu Destino
por José Jorge Letria
Para a edição portuguesa do livro: García Lorca e Manuel da Fonseca: Dois Poetas em Confronto, de Manuel G. Simões
por António Gomes Marques
A Narrativa no Movimento Neo Realista – As Vozes Sociais e os Universos
da Ficção, de Vítor Viçoso


3. ACTIVIDADES DA ASSOCIAÇÃO PROMOTORA
DO MUSEU DO NEO REALISMO (2010)……...…

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Revista
N. páginas: 260
Formato: 23x16
ISSN: 1646-5989
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Maia
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

28/07/2017
VILA BOIM, da autoria de Rui Jesuíno
LANÇAMENTO: Dia 28 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 19h00, em Vila Boim

28/07/2017
AO CAIR DA NOITE, da autoria de Albertino Bragança
LANÇAMENTO: dia 28 de Julho (6.ª feira), às 17h30, Auditório UCCLA, Lisboa. A apresentação contará com a presença de Dr. João Viegas de Abreu; Dr.ª Sheila Khan e Dr.ª Inocência Mata. Apontamento musical pelo cantor santomense Filipe Santo

24/07/2017
ESTÓRIAS DO ARCO DA VELA, da autoria de Roberto Robles
LANÇAMENTO: Dia 24 de Julho de 2017 (2.ª feira), às 18h30, na Fragata D. Fernando II e Glória, em Cacilhas

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99