As Organizações Culturais e o Espaço Público

A Experiência da Rede Nacional de Teatros e Cineteatros




Recomendar livro a um amigo
Colaboração com a entidade: Instituto Politécnico de Lisboa

Sinopse:

A presente investigação problematiza a natureza da relação que se estabelece entre as organizações culturais e os seus públicos e verifica se as especificidades das organizações que pertencem à Rede Nacional de Teatros e Cineteatros, lançada em 1999 pelo então Ministro da Cultura, Manuel Maria Carrilho, favorecem a interacção no seio da esfera pública. Atendendo a que o indivíduo só adquire consciência de si quando se situa num contexto estruturado pela comunicação, a prática das organizações culturais tem de ser organizada de forma participativa, o que quer dizer que a relação organização/públicos não pode ser de carácter instrumental, mas dialógica, baseada na partilha de expectativas de comportamento intersubjectivamente válidas. Analisando as propostas realizadas por cada uma das organizações, nos três primeiros anos de actividade, foi possível determinar que, dependendo do tipo de envolvimento promovido pela organização, a experiência estética pode ser absorvida pela vida quotidiana. Quando a organização estabelece vínculos duradouros e exigentes, através do acesso, construção e debate do saber, consegue contribuir para a edificação da identidade social e propicia a reflexão sobre as situações do Mundo da Vida.

Índice:

Introdução

I Parte: Espaço Público e Acção Comunicacional
Capítulo I. Para uma Teoria da Acção
1. O interaccionismo simbólico de George Herbert Mead
2. A sociofenomenologia de Peter Berger e Thomas Luckmann
3. A Nova Teoria Crítica da sociedade proposta por Jürgen Habermas
3.1. A emergência e consolidação do espaço público moderno
3.2. A acção comunicacional e a proposta de uma pragmática formal
3.3. A situação de fala ‘idealizada’

Capítulo II. A Esfera Pública Cultural
1. A esfera pública literária como precursora da esfera pública cultural
1.2. O papel da família
2. A ‘mudança estrutural’ da esfera pública
3. A perspectiva da Teoria Crítica sobre a esfera pública cultural do século XX
4. A viragem teórica

Capítulo III. A Teoria dos Campos Sociais e o Campo Cultural
1. A modernidade e os campos sociais
2. O modelo de racionalidade dos campos sociais
3. Os desenvolvimentos da sociologia da cultura e o lugar dos públicos

II Parte: Rede Nacional de Teatros e Cineteatros
Capítulo IV. Génese e Consolidação da Esfera Pública Cultural
1. A Europa e o advento da esfera pública cultural
2. O ‘estado da arte’ em Portugal
Capítulo V. A Cultura no Coração da Acção
1. As políticas culturais públicas
2. A cultura e o desenvolvimento económico local
3. Os públicos da cultura

Capítulo VI. As Organizações Culturais
1. O conceito de rede cultural
2. As organizações da Rede Nacional de Teatros e Cineteatros
3. A Rede equipamento a equipamento
3.1. Teatro Aveirense
3.2. Pax Julia, Teatro Municipal de Beja
3.3. Theatro Circo em Braga
3. 4. Teatro Municipal de Bragança
3.5. Cineteatro Avenida em Castelo Branco
3.6. Teatro Municipal de Faro
3.7. Teatro Municipal da Guarda
3.8. Teatro José Lúcio da Silva em Leiria
3.9. Centro de Artes do Espectáculo de Portalegre
3.10. Teatro Sá da Bandeira em Santarém
3.11. Teatro Municipal Sá de Miranda em Viana do Castelo
3.12. Teatro Municipal de Vila Real

Capítulo VII. Tríade: Organizações – Políticas Culturais – Públicos
1. Objectivos das organizações
2. Tipo de evento
3. Tipo de repertório
4. Situação de produção dos eventos
5. Verbas e origem do financiamento
6. Relação com os públicos/espectadores

Conclusão

Referências Bibliográficas

Anexos


A AUTORA:

Maria João Centeno, Portalegre, 1971. É Licenciada em Comunicação Social pela Universidade da Beira Interior (UBI – 1994);
É Mestre (FCSH/UNL – 1999) e Doutorada em Ciências da Comunicação pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL – 2011). É professora na Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa (ESCS – IPL), onde lecciona as disciplinas, no âmbito do 1.º ciclo, de Modelos e Teorias da Comunicação e a disciplina de Comunicação e Práticas Culturais no 2.º ciclo.

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 460
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-208-1
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/02/2019
MUNDO(S) – Livro 3, com coord. literária de Ângelo Rodrigues
LANÇAMENTO: dia 23 (sábado) de fevereiro de 2019, pelas 16:30 horas, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa

23/02/2019
DIOGO TAVARES DE ATAÍDE, da autoria de Daniel Santana
APRESENTAÇÃO: Dia 23 de Fevereiro de 2019 (sábado), às 18h00, no Museu Municipal de Faro

16/02/2019
SEM CHÃO, Romance da autoria de João Mário Caldeira
APRESENTAÇÃO: dia 16 de fevereiro, na Biblioteca de Serpa

02/02/2019
MARCAS DA VIDA, da autoria de Josefina Almeida
LANÇAMENTO: Dia 02 de Fevereiro de 2019 (sábado) às 15h30, na Livraria e Papelaria Fonsecas, em Lisboa. Apresentação – Lisete Matos

26/01/2019
LOURENÇO MARQUES, da autoria de Nuno Roque da Silveira
APRESENTAÇÃO: 26 de Janeiro de 2019, às 15h30, na Cooperativa Cultural Popular Barreirense, no Barreiro. Apresentação – Dr. Jorge Fagundes

20/01/2019
(IN)JUSTIÇA GLOBAL, da autoria de Cristóvão Pereira e Maria da Glória Fraga
LANÇAMENTO: Dia 20 de Janeiro de 2018 (Domingo), às 16h00, no Hotel Júpiter, em Lisboa. Apresentação: Prof.ª Doutora Maria Teresa Lopes Pereira e Dr. Saraiva Matias

19/01/2019
POESIA {DAS CIRCUNSTÂNCIAS} DO TEMPO, da autoria de Luís Pais Amante
LANÇAMENTO: Dia 19 de Janeiro de 2019 (sáb.) às 15h00, Auditório do Centro Cultural de Penacova. Apresentação – Dr.ª Maria Fernanda Alexandre

19/01/2019
MULHERES (DE) CORAGEM, da autoria de Maria do Céu Pires
APRESENTAÇÃO: dia 19 de Janeiro de 2019 (sábado), às 16h00, na Biblioteca Municipal de Portalegre. Apresentação: Dr. António Martinó

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99