Museus Militares do Exército

Um modelo de gestão em rede




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Com a edição deste texto, pretende-se revelar e partilhar, essencialmente à comunidade museal, a estrutura organizacional legal, os recursos e os processos utilizados pelos Museus Militares do Exército Português, como um contributo para a definição de um modelo de gestão. Este, à semelhança de outros modelos, possui pontos fortes e também pontos fracos, mas pretende-se configurá-lo numa boa via para se alcançar a desejada qualidade da actividade museológica militar e em rede integrada, constituída internamente por uma entidade ordenadora e coordenadora, seis Museus Militares e cerca de meia centena de Coleções Militares Visitáveis. Atrvés das Tecnologias de Informação e Comunicação, será possível desenvolver a rede no plano nacional e internacional. (Francisco Amado Rodrigues) ************************************************ A segunda parte da presente obra (…) pretende contribuir para a reflexão sobre o conceito de museu militar e as especificidades que os diferenciam das demais instituições museológicas, nomeadamente ao nível dos seus processo de criação à luz do envolvente contexto europeu e das formas de colecionar presentes nos seus acervos. A partir de seis contextos – o Museu Militar dos Açores, o Museu Militar de Bragança, o Museu Militar de Elvas, o Mseus Militar de Lisboa, o Museu Militar da Madeira e o Museus Militar do Porto, é feito o diagnóstico das formas de gestão e documentação das coleções e apontadas pistas para o desenvolvimento de uma gestão do acervo conduzida de forma integrada, ética e sustentável. (Mariana Jacob Teixeira)

Índice:

Prefácio
Major-general Hugo Eugénio dos Reis Borges


I PARTE
UMA NOVA REDE DE MUSEUS PARA O EXÉRCITO PORTUGUÊS – CONTRIBUTOS PARA A SUA GESTÃO


Apresentação
Professor Doutor Fernando António Baptista Pereira

Dedicatória

Nota Prévia

Resumo e palavras chave

Índice de quadros, figuras e gráfico

Lista de abreviaturas e acrónimos


Capítulo I – Enquadramento organizacional de unidades museológicas (Museus Militares) e paramuseológicas (Coleções Militares Visitáveis)

1. Elementos de índole museal sob a tutela do Exército

2. Estrutura Geral do Exército

3. Direção de História e Cultura Militar
3.1. Antecedentes (desde 1959 até 2007)
3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos da DHCM

4. Museus Militares
4.1. Museu Militar de Lisboa
4.1.1. Antecedentes
4.1.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Lisboa
4.2. Museu Militar do Porto
4.2.1. Antecedentes
4.2.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar do Porto
4.3. Museu Militar de Bragança
4.3.1. Antecedentes
4.3.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Bragança
4.4. Museu Militar da Madeira
4.4.1. Antecedentes
4.4.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar da Madeira
4.5. Museu Militar dos Açores
4.5.1. Antecedentes
4.5.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar dos Açores
4.6. Museu Militar de Elvas
4.6.1. Antecedentes
4.6.2. Dependência, missão, organograma e efetivos do Museu Militar de Elvas
4.7. Museus Militares na atualidade e em 2005 – quadro comparativo

5. Coleções Militares Visitáveis das Unidades, Estabelecimentos e Órgãos do Exército
5.1. Antecedentes
5.2. Situação atual


Capítulo II – Diagnóstico aos Museus Militares – passado e presente

1. O questionário como ferramenta de diagnóstico e os sete parâmetros de análise
1.1. Questionário aos Museus Militares do Exército Português realizado em 2004 – análise estatística da amostra na ótica dos sete parâmetros
1.1.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
1.1.2. Conservação e segurança
1.1.3. Interpretação e exposição, e educação
1.1.4. Sustentabilidade
1.1.5. Públicos
1.1.6. Rede
1.1.7. Natureza institucional e funcional do museu

2. Diagnóstico qualitativo aos atuais Museus Militares sob os sete parâmetros de análise
2.1. Estudo e investigação, incorporação, inventário e documentação
2.2. Conservação e segurança
2.3. Interpretação e exposição, e educação
2.4. Sustentabilidade
2.5. Públicos
2.6. Rede
2.7. Natureza institucional e funcional do museu


Capítulo III – Redes museológicas de abrangência territorial nacional

1. Uma abordagem teórica de rede museológica e sistema

2. A Rede de Dados do Exército

3. Rede museológica nacional – passado e presente

4. Rede museológica do Exército Português – passado e presente
4.1. Rede de Museologia Militar – 1982/83
4.2. Uma Nova Rede de Museus Militares – proposta (2005)
4.2.1. Pressupostos
4.2.2. Linhas orientadoras e condicionamentos associados
4.2.2.1. Objetivos
4.2.2.2. Missão da Coordenação
4.2.2.3. Condicionamentos
4.2.2.4. Estrutura organizacional
4.2.2.5. Critérios de organização
4.2.2.5.1. Descentralização territorial
4.2.2.5.2. Descentralização de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2. Recursos materiais
4.2.2.5.2.3. Temáticas
4.2.2.5.2.3.1. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.3.2. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2. Centralização na gestão integrada de bens museológicos e de alguns recursos
4.2.2.5.2.1. Bens museológicos
4.2.2.5.2.2. Recursos humanos
4.2.2.5.2.2.1. Da Coordenação da Rede de Museus
4.2.2.5.2.2.2. Dos Museus Militares
4.2.2.5.2.2.3. Das Coleções Militares Visitáveis
4.2.2.5.2.3. Recursos materiais
4.2.2.5.2.4. Recursos financeiros
4.2.2.5.2.5. Recursos informáticos
4.3. Ponto de situação da Nova Rede de Museus Militares (2012)
4.3.1. Estrutura organizacional
4.3.2. Processos
4.3.3. Modelos de gestão dos recursos dos Museus Militares
4.3.3.1. Recursos humanos
4.3.3.2. Recursos materiais
4.3.3.3. Recursos financeiros
4.3.3.4. Recursos informáticos
4.3.3.5. Os edifícios
4.3.3.6. Os espaços
4.3.3.7. As temáticas
4.3.3.8. As coleções

Considerações finais

Referências bibliográficas

Anexos

Apêndices



II PARTE
A NATUREZA E GESTÃO DAS COLEÇÕES DOS MUSEUS MILITARES NA DEPENDÊNCIA DA DIREÇÃO DE HISTÓRIA E CULTURA MILITAR


Agradecimentos

Lista de abreviaturas

Apresentação

Introdução


Capítulo I – Museus militares – génese e coleções

1.1. Conceito de museu militar
1.2. Dos armazéns de armas aos atuais museus militares do Exército português: processos de criação à luz do envolvente contexto europeu
1.3. Natureza e modos de colecionar presentes no acervo dos seis museus militares na dependência da Direção de História e Cultura Militar
1.3.1. Natureza das coleções
1.3.1.1. Museu Militar dos Açores
1.3.1.2. Museu Militar de Bragança
1.3.1.3. Museu Militar de Elvas
1.3.1.4. Museu Militar de Lisboa
1.3.1.5. Museu Militar da Madeira
1.3.1.6. Museu Militar do Porto
1.3.2. As coleções – significados e representações


Capítulo II – Modelos de gestão das coleções em museus militares

2.1. Gestão das coleções museológicas – considerações teóricas
2.2. Identificação de modelos de gestão e documentação das coleções em museus militares – contexto internacional
2.2.1. Canadian Forces Base Petawawa Military Museum
2.2.2. Imperial War Museum
2.2.3. Museo del Ejército
2.2.4. National Army Museum
2.3. Os modelos de gestão e documentação das coleções dos seis Museus Militares da Direção de História e Cultura Militar: diagnóstico e contributo para a criação de boas práticas
2.3.1. Missão
2.3.2. Política de incorporação
2.3.3. Alienação
2.3.4. Empréstimo
2.3.5. Depósito
2.3.6. Documentação
2.3.6.1. Pré-entrada
2.3.6.2. Entrada
2.3.6.3. Registo manual
2.3.6.4. Inventário
2.3.6.5. Cópias de segurança

Considerações finais

Referências bibliográficas

Caderno de Imagens

Detalhes:

Ano: 2012
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 308
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-272-2
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Maia
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

28/07/2017
VILA BOIM, da autoria de Rui Jesuíno
LANÇAMENTO: Dia 28 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 19h00, em Vila Boim

28/07/2017
AO CAIR DA NOITE, da autoria de Albertino Bragança
LANÇAMENTO: dia 28 de Julho (6.ª feira), às 17h30, Auditório UCCLA, Lisboa. A apresentação contará com a presença de Dr. João Viegas de Abreu; Dr.ª Sheila Khan e Dr.ª Inocência Mata. Apontamento musical pelo cantor santomense Filipe Santo

24/07/2017
ESTÓRIAS DO ARCO DA VELA, da autoria de Roberto Robles
LANÇAMENTO: Dia 24 de Julho de 2017 (2.ª feira), às 18h30, na Fragata D. Fernando II e Glória, em Cacilhas

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99