Supply Chain Management

A Materialização da Cadeia de Valor




Recomendar livro a um amigo
Colaboração com a entidade: Instituto Politécnico de Lisboa

Sinopse:

O objectivo norteador deste trabalho foi o de levar o leitor à compreensão dos fenómenos inerentes à naturalização da cadeia de valor. Além disso pretendeu-se estabelecer a ligação estratégica entre as cadeias de valor globais, a economia e as plataformas de criação de valor. Finalmente apresentar soluções válidas para os novos problemas gerados pela complexidade das redes num mundo de turbulência e incerteza dominantes.

Índice:

Índice de ilustrações
Índice de tabelas
Sumário
Lista de acrónimos

1. – Introdução

2 – Revisão conceptual e terminológica
2.1. Dificuldades de Adequação Terminológica em Gestão Logística
2.2 Adopção de terminologias linguísticas conjuntas
2.3. Resumo Conclusivo

3. – Cadeias de valor híbridas
3.1. Decoupling Point (DP), Efeito de Forrester (Bullwhip)
3.2. Efeito de Repercussão (Backlash)
3.3. A Localização do DP
3.4. Um segundo DP (informacional)
3.5. A Estratégia “Glocal” de Postponement
3.6. Resumo Conclusivo

4. – A materialização da cadeia de valor
4.1. Supply Chain Management (SCM)
4.2. Empresas Estendidas
4.3. O Valor do Tempo
4.4. Lead-Time e Order-Fulfilment
4.5. Abordagem à Compressão de Espaço (Espaço/Tempo/Custos)
4.6. Valor do Tempo e Avaliação de Trade-offs
4.7. Caso de Estudo
4.8. Modelo Conceptual da Compressão do Espaço/Tempo
4.9. Resumo Conclusivo

5. – O inventário e as características das redes integradas pela SCM
5.1. SCM e o Conceito de Inventário através do Comércio Internacional
5.2. A circulação do Inventário nas SCM
5.2.1. Conceito de inventário
5.3. Optimização de inventário nas SCM
5.4. Flexibilidade, Agilidade, Leanness, Robustez, Adaptabilidade e Resiliência
5.5. Resumo Conclusivo

6. – Os movimentos colaborativos nas redes das SC
6.1. Redes, Sistemas e Complexidade
6.2. Movimentos Colaborativos, Participação em Redes
6.3. O Fenómeno da “Co-opetition”
6.4. Movimentos Colaborativos (So Happy Together); o Dilema Social
6.5. Resumo Conclusivo

7. – SCM e as tecnologias de comunicação e informação inteligentes (TICI)
7.1. RFID
7.2. GPS
7.3. Sistemas Inteligentes (inteligência artificial). Aplicações na SCM
7.3.1. Atenuação do bullwip effect
7.3.2. Melhoria da visibilidade (monitorização e rastreabilidade) na SCM
7.3.3. Auto-estradas Inteligentes
7.3.4. Armazenagem, picking e produção integrada inteligentes
7.4. Resumo Conclusivo

8. – A circulação física nas SCM
8.1. Integração dos Transportes nas Cadeias de Valor Globais
8.1.1. Macro e Mesologística
8.1.2. SCM e Logísticas Macro e Meso
8.1.3. Transportes e Avaliação dos Trade-offs
8.1.4. Circulação em Vazio
8.1.5. Efeito de Impedância e Custos de Fricção
8.2. Multimodalidade
8.2.1. Soluções Intermodais
8.2.2. Soluções inovadoras
8.3. A unidade de carga “Contentor”
8.4. Soluções porta-a-porta (d2d) e Milk-run
8.5. Resumo Conclusivo

9. – Plataformas terrestres, portuárias e aeroportuárias. Integração nas SCM
9.1. Plataformas Logísticas Terrestres
9.2. Ligação em Rede e Sincronização Logística
9.3. Cross-docking
9.4. Transmodalidade
9.4.1. Transhipment
9.4.2. Outras Soluções Transmodais
9.5. Canais Logísticos; Consolidação e Grupagem
9.5.1. Canais Logísticos
9.5.2. Consolidação e Grupagem
9.6. O Papel integrador das Plataformas Portuárias nas SCM
9.6.1. O Conceito de Porto
9.6.2. Tipos de Terminais Portuários
9.6.3. Integração Logística
9.6.4. Integração em Rede
9.6.5. Factores de Integração Portuária
9.6.6. Envolvência das Redes de Transporte e de Plataformas Terrestres e Portuárias
9.7. Integração da Mesologística Europeia nas SCM Globais
9.8. Integração das Plataformas Aeroportuárias nas SCM
9.9. Resumo Conclusivo

10. – Minimização da complexidade nas SCM
10.1. Retorno à abordagem da Complexidade
10.2. Estratégias de Minimização da Complexidade
10.3. Modularização e Postponement
10.3.1. Modularização
10.3.2. Postponement
10.3.3. Conjugação de Modularização e Postponement
10.4. Kitting
10.5. Plataformas de Distribuição Física
10.6. Cross-docking
10.7. Transhipment
10.8. Plataformas Tecnológicas (TICI)
10.9. Consolidação, Grupagem e os Inversos
10.9.1. Consolidação
10.9.2. Grupagem
10.10. Resumo Conclusivo

11. – Indústria automóvel; um caso de estudo de SCM globais
11.1. Opções Modais e Indústria Automóvel
11.2. Saída Logística na Produção Automóvel
11.3. Integração das Instalações Portuárias
11.3.1. Portos Elo e Portos Interface
11.3.2. Portos Interface, PDI e Postponement
11.4. A Função de Decoupling Point do terminal “Ro-Ro” de Veículos
11.5. O papel integrador dos terminais ro-ro europeus
11.5.1. Os Portos-plataforma e a Formação de Bipolos Logísticos
11.5.2. Adequação do conceito de Hinterland
11.6. Resumo Conclusivo

12. – Nota final

Referências



O AUTOR:
Professor Coordenador c/Agregação do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa – ISEL/IPL na Área Departamental de Engenharia Mecânica onde coordena a Secção de Engenharia Industrial e Manutenção (SEIM) e o Mestrado em Engenharia Mecânica (MEIM); lecciona, entre outras, a UC de “Logística”. Professor Associado Convidado c/Agregação (tempo parcial) no Instituto Superior Técnico – IST/UTL na Área Científica de Engenharia e Tecnologia Naval do Departamento de Engenharia Mecânica; lecciona a UC “Organização e Gestão Portuária”. Investigador no Centro de Investigação em Engenharia e Tecnologia Naval (CENTEC) no IST. Membro Conselheiro (colégio de Engenharia Mecânica) e Especialista (Engenharia e Gestão Industrial) da Ordem dos Engenheiros. Membro da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL); entre 2001 e 2009 foi presidente da Secção de Transportes. Foi Membro do Conselho de Administração da APSS – Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra em dois mandatos: 1993/1996 e 2002/2005. Autor e co-autor de diversos artigos científicos em revistas internacionais e conferências científicas nacionais e internacionais. Orientador e coorientador e arguente de diversos trabalhos de Mestrado e Doutoramento em várias Escolas e Universidades nacionais bem como júri de concursos públicos e documentais para provimento de diversos graus de professor. Autor artigos de opinião em jornais e revistas técnicas nacionais desde 1996 e participante em numerosas conferências técnicas nas áreas de portos, transportes, economia e logística. Autor de livros e partes de livro nacionais e internacionais sobre as matérias referidas.

Detalhes:

Ano: 2013
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 228
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-290-6
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
08/04/2017
MEMÓRIAS QUE FAZEM HISTÓRIA. Lapa dos Dinheiros uma Aldeia da Serra da Estrela, da autoria de Zita Rodrigues
LANÇAMENTO: Dia 08 de Abril de 2017 (Sábado) às 15h00, em Seia

06/04/2017
CRÓNICAS PRISIONAIS, da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: Dia 06 de Abril de 2017 (5.ª feira) às 18h00, sede da Ordem dos Médicos (Lisboa). Apresentação: Dr.ª Graciela Simões e a Drª. Filomena Fortes

31/03/2017
ECLÉTICA II - em formação (Regulamento)
INFORMAÇÃO DETALHADA: clique em "links" *ECLÉTICA II, nesta página

29/03/2017
INVESTIMENTO INTERNACIONAL INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES LOCAIS, com coordenação de Paula Urze e Vítor Corado Simões
LANÇAMENTO: Dia 29 de Março de 2017 (4.ª feira) às 17h30, no ISEG/UL, Lisboa. Apresentação: João Picoito [VP, Nokia Oy], Ana Teresa Tavares-Lehmann [FE, Universidade do Porto]

29/03/2017
OPINIÃO DO DIA - Expressão de Liberdade, da autoria de Jorge Gonçalves
LANÇAMENTO: Dia 29 de Março de 2017 (4.ª feira) às 18h00, na Universidade Lusófona, em Lisboa. Apresentação – Eduardo Fernandes, Economista

28/02/2017
ODÉLIA E A METAFÍSICA, de Fernando Barata Freitas
DISPONÍVEL PARA VENDA a mais recente obra de Fernando Barata Freitas. Aqui mesmo: http://www.edi-colibri.pt/Detalhes.aspx?ItemID=2081

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99