pequeno vade-mécum ad loca infecta

– para docentes, estudantes e outros mártires (= testemunhas) da modernidade cansados mas ainda capazes de uma técnue esperança




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Sendo assim, docentes e alunos – bem como outros mártires desta modernidade que nos incumbe viver e, dentro dos possíveis, tornar viável – encontram-se nas trincheiras de uma humanidade ainda por inventar e amparar; situam-se na linha de frente de um agon que vai decidindo a toda a hora quem nós somos, qual a natureza da nossa liberdade e dignidade, como havemos de viver amanhã e o que devemos dizer uns aos outros em nome desse imperativo de sermos mais (do que hoje somos), visando sempre a verdadeira mobilidade transformadora – amorosamente destrutiva e/ou criativa – em radical contraste com essas forças de mobilização da Engrenagem. Recorde-se que a mobilização (que pertence à lógica da Engrenagem que nos esmaga) deixa no seu rasto a arregimentação da sensibilidade. Tal arregimentação acarreta, por sua vez, a redução – por definição, mutiladora – dos campos semióticos do ser ainda por imaginar. A Engrenagem quer obrigar-nos a ser menos do que humanamente somos e humanamente podemos chegar a ser.

Índice:

O PRÓLOGO: em torno deste vade-mécum para quem deseje ler uma espécie de manifesto pedagógico, ou diário íntimo de um docente que decidiu escrever com os pés (já que as suas mãos se encontram atadas), ou, ainda, a confissão de um esperançoso crónico.

O GLOSSÁRIO: uma pequena bússola em forma de prosa a fim de esclarecer o léxico assumidamente (e amorosamente) obsessivo do autor.

O CALENDÁRIO: Dois dias destacados de cada um dos Doze Meses do Calendário da República Francesa, anos 219-220 a contar de 1792, época da Convention Nationale sob a égide dos Jacobinos. O calendário deve-se à colaboração do matemático Gaspard Monge, o astrónomo Alexandre Guy Pingré, o astrónomo Joseph Jérôme Lefrançois de Lalande, o químico Louis-Bernard Guyton de Morveau, o matemático e astrónomo Joseph-Louis Lagrange, o poeta Fabre d’Églantine e o jardineiro do Jardin des Plantes du Musée National d’Histoire Naturelle de Paris, André Thouin.

Incluem-se, no final do calendário, dois dias, ditos complementares ou «complémentaires» correspondentes aos «jours sans-culottides», especificamente, o de «La Fête des Récompenses» e o de «La Fête de la Révolution». Estes dias feriados celebravam-se no final de cada ano durante os aproximadamente doze anos de funcionamento deste calendário republicano.

E, ao longo deste vade-mécum, o electrocardiograma de um coração que resiste.

Detalhes:

Ano: 2013
Capa: capa dura
Tipo: Livro
N. páginas: 144
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-310-1
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
14/07/2017
A LÍNGUA PORTUGUESA NO MUNDO LUSÓFONO, organização de Alexandre António da Costa Luís,Carla Sofia Gomes Xavier Luís e Paulo Osório
LANÇAMENTO: Dia 14 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 13h00, FNAC do Colombo, Lisboa

07/07/2017
CONCELHO DE TONDELA – HERÁLDICA, HISTÓRIA E PATRIMÓNIO, de Luís Ferros, Manuel Ferros e Rui do Amaral Leitão
LANÇAMENTO: Dia 7 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 18h30, no Grémio Literário, em Lisboa. Apresentação: Prof. Doutor António Sousa Lara

29/06/2017
MÚSICA E HISTÓRIA ESTUDOS EM HOMENAGEM A MANUEL CARLOS BRITO, com coord. de Manuel Pedro Ferreira e Teresa Cascudo
LANÇAMENTO: Dia 29 de Junho de 2017 (5.ª feira), às 18h00,na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99