Identidades Incertas

– Uma perspectiva Antopológica da Anomia Indentitária




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Armindo dos Santos
Colaboração com a entidade: Câmara Municipal do Alandroal

Sinopse:

A presente obra pretende contrariar a tendência comum que tende a definir a identidade de um determinado grupo pelas suas características culturais descritíveis. Segundo o autor, o processo de construção identitária é mais complexo que esta simples e eventual correspondência. Em primeiro lugar, porque a consciência identitária necessita do confronto cultural com o outro, sem o qual não desperta e não toma forma. De facto, a identidade procede do nível de consciência que o grupo tem das suas práticas culturais, as quais só se tornam, mais ou menos, manifestas graças à comparação cultural com terceiros. Em seguida, porque as práticas culturais conscientes dependem da sua reinterpretação pelos agentes sociais. Neste processo, é possível introduzirem-se discrepâncias entre a representação da realidade cultural descritível e essa mesma realidade. Por outro lado, a construção identitária está sujeita à aculturação e à anomia social daí provenientes. Resta também que os indivíduos podem identificar-se com algo que não lhes corresponde culturalmente. Assim, a norma identitária, forçosamente consciente (contrariamente à cultura), reflecte, sobretudo, a construção de uma imagem saída da interpretação das práticas culturais centrais do grupo e as suas incertezas. O autor chama ainda a atenção para o possível desajuste entre identidade formal e sentimento de pertença, divergência muito comum no universo das sociedades actuais. Baseado nesta perspectiva geral, o livro analisa os grandes factores antropológicos da identidade e o seu peso na tomada de consciência desta. A finalizar, é colocado em evidência o fraco reflexo identitário regional português em favor da consciência nacional assim como determinados aspectos paradoxais de incerteza desta mesma identidade nacional.

Índice:

Nota do autor
Os Caminhos do Livro

ABERTURA
1. A identidade e a sua complexidade
2. Factores de incerteza identitária

I PARTE – A REVELAÇÃO IDENTITÁRIA
I Capítulo – As Identidades nas Ciências Sociais e Humanas
1.1. Breve pano de fundo bibliográfico
1.2. As etno-identidades e o estudo dos nacionalismos

II Capítulo – Psicologia Colectiva e Identidade
2.1. As representações sociais
2.2. Práticas sociais, representações e identidade
2.3.1 O grupo, o estatuto e a posição social na representação identitária

II PARTE – MARCADORES ANTROPOLÓGICOS DA IDENTIDADE COLECTIVA
I Capítulo – Civilização e Cultura
1.1. A civilização um marcador reivindicado?
1.2. A cultura e a consciência identitária
1.3. Áreas culturais e identidade
1.3.1. O factor linguístico, religioso e histórico

II Capítulo – Factores Fenotípicos e Antropológicos da Identidade
2.1. A “raça” um marcador identitário?
2.2. A pertença étnica

III Capítulo – Lugares de Memória
3.1. A memória do território: o pagus identitário
3.2. A memória geográfica
3.3. A memória das paisagens regionais
3.4. A memória do património etnológico

III PARTE – INCERTEZAS NA IDENTIDADE PORTUGUESA
I Capítulo – Qualificações e Desqualificações Identitárias Portuguesas
1.1 “Estrangeirados” e “castiços”
1.2. Formas novas de desqualificação social e identitária
1.3. O “cá”, o “lá fora” e o espaço ibérico de transição

I I Capítulo – Desafios Actuais da Identidade Nacional
2.1. A ilusão de uma independência política imperecível
2.2. A multiculturalidade no Portugal actual

Considerações finais

Anexos: antigas divisões geográficas de Portugal

Referências Bibliográficas



O AUTOR:

Armindo (Nunes Fernandes) dos Santos é antropólogo, Agregado pela Universidade Nova de Lisboa, Doutorado em Antropologia Social pela EHESS (Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales e Laboratoire d´Anthropologie Sociale do Collège de France, Paris), Licenciado e Mestre em Sociologia assim como Licenciado em Geografia na Academia de Paris e Professor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É autor das seguintes obras: Heranças – Estrutura agrária e sistema de parentesco numa aldeia da Beira-Baixa, Lisboa: Dom Quixote, 1996; Antropologia geral, etnografia, etnologia, antropologia social, Lisboa: Univ. Aberta, 2000; Antropologia do parentesco e da família, Lisboa: Edições Piaget, 2006. É ainda autor de um importante número de artigos sobre o parentesco europeu, e português em particular, assim como de outros assuntos de interesse antropológico.

Detalhes:

Ano: 2013
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 206
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-324-8
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
18/11/2017
ANGOLA – O 4 de Fevereiro de 1961 em Luanda e Outras Memórias, da autoria de César Gomes
LANÇAMENTO: dia 18 de Novembro de 2017 (sábado), às 15h30, Auditório do Hotel Solverde, Granja (Espinho)

11/11/2017
PSICANÁLISE. SUJEITO E OBJECTO NA CURA ANALÍTICA, da autoria de Orlando Fialho
LANÇAMENTO: Dia 11 de Novembro de 2017 (Sábado), às 18h15, Hotel Holiday Inn Continental, Lisboa. Apresentação: Dr.ª Manuela Harthley

01/11/2017
A ORGANIZAÇÃO ARQUIVÍSTICA – O Fundo "Administração do Concelho de Torres Vedras", de Suzete Lemos Marques
LANÇAMENTO: dia 1 de novembro (4.ª feira), às 16h00, em Torres Vedras. Apresentação: Prof. Doutor Carlos Guardado da Silva

25/10/2017
DIPLOMACIA PENINSULAR E OPERAÇÕES SECRETAS NA GUERRA COLONIAL, da autoria de María José Tíscar
APRESENTAÇÃO: Dia 25 de Outubro de 2017 (4.ª feira), às 18h30 no Instituto Cervantes, em Lisboa. Apresentação de José Manuel Duarte de Jesus (Embaixador Jubilado)

24/10/2017
A PIDE NO XADREZ AFRICANO – Angola | Zaire | Guiné | Moçambique, da autoria de María José Tíscar
LANÇAMENTO: Dia 24 de Outubro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Comissão Portuguesa de História Militar, em lisboa

21/10/2017
VINTE MIL LÉGUAS DE PALAVRAS, da autoria de Luís Cunha
LANÇAMENTO: Dia 21 de Outubro de 2017 (sábado), às h00, na Biblioteca Municipal Manuel da Fonseca, em Santiago do Cacém

20/10/2017
ELITES E EDUCAÇÃO. Évora e o Liceu. As Escolas e os Estudantes – Da Monarquia Constitucional ao Estado Novo, de Fernando Luís Gameiro
LANÇAMENTO: Dia 20 de Outubro de 2017 (6.ª feira), às 17h30, na Pousada Convento dos Lóios, em Évora

19/10/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 19 de Outubro de 2017 (5.ª feira), às 18h30, no Restaurante da Ordem dos Engenheiros, em Lisboa. Apresentação do Comandante Carlos de Almada Contreiras

19/10/2017
NEM TUDO ACONTECE POR ACASO, de Manuel do Nascimento
LANÇAMENTO: dia 19 de Outubro (5.ª feira), às 18h30, no Consulado-Geral de Portugal em Paris, França

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99