Cantores de Abril (2.ª ed.)

Entrevistas a Cantores e outros protagonistas do “CANTO DE INTERVENÇÃO”




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Eduardo M. Raposo

Sinopse:

Contra a censura, contra a Pide, contra a repressão, contra a guerra, não tínhamos outras armas: tínhamos a poesia, a canção, a guitarra. E foram elas que, de certo modo, na madrugada do 25 de Abril, floriram também nas armas libertadoras. [Manuel Alegre] * * * * * * A Poesia e a Música foram a chama que alimentou a esperança na liberdade, despertou consciências contra a guerra colonial e minou a ditadura Salazarista. O livro “Cantores de Abril” de Eduardo M. Raposo, presta homenagem aos Poetas e Cantores que fizeram os Cravos florir em Abril, mas também a todos os homens e mulheres que participaram voluntariosamente neste movimento que tanto contribuiu para a Revolução de 1974 – dirigentes estudantis, jornalistas, críticos, editores de rádio e de televisão. A sua ousadia foi paga muitas vezes com a prisão e quantas com a tortura, mas nada os demoveu e mantiveram a chama acesa até às “portas que Abril abriu”. Este movimento cultural deu um novo rumo à nossa história recente e em tempos de crise de valores éticos e de injustiças sociais que nos fazem lembrar tempos de antigamente, apetece voltar às canções do Zeca Afonso e do Adriano Correia de Oliveira. [Fernando Mão de Ferro]

Índice:

Nota à 2.ª edição
É tempo do Zeca e do Adriano voltarem a cantar!...
Nota de abertura
Prefácio

Cantar Adriano
António Pedro Vicente e as suas paixões – a Liberdade, o Iberismo e a História
Benedicto, o músico que «levou» o Zeca a amar a Galiza
Eugénio Alves – o Jornalismo e a História
Fialho Gouveia e o «Zip-Zip»: «Mostrar um país escondido»
Francisco Fanhais, profeta da Liberdade
Francisco Naia – «Sou alentejano, poeta e cantor...»
João Paulo Guerra – «A Mosca» e o «nacional-cançonetismo»
José Barata Moura, o cantor e a cátedra
José Carlos de Vasconcelos, o jornalista dos sete «ofícios»
José Jorge Letria – no princípio era a música
José Mário Branco, um artífice da música portuguesa
José Niza, o militante da música
Luís Cília – contra a corrente
Manuel Alegre, poeta da Liberdade
Manuel Freire, trovador de sonhos
Mário Vieira de Carvalho – um percurso ao serviço da música
Paulo Sucena, um homem da palavra e da acção
Sérgio Godinho, o menino feiticeiro
Tino Flores, o irreverente
Zeca Afonso, um percurso, uma arte maior... a arte do Zeca



O AUTOR:

Eduardo M. Raposo nasceu na Funcheira, Ourique em 1962. É doutor em História da Cultura e das Mentalidades Contem¬porâneas, pela FCSH/UNL. É jornalista, investigador, dirigente associativo e acti¬vista da Cultura e do Alentejo. Foi Vice-Presidente da Casa do Alentejo, fundador e Presidente do Centro de Estudos Documentais do Alentejo – CEDA. Nesta qualidade coordenou colóquios internacionais e prémios literários e organizou homenagens, entre outros, a Federico García Lorca, Adriano Correia de Oliveira, Almutamide e Urbano Tavares Rodrigues. É autor de diversos espectáculos mu¬sicais. Foi Director da Revista Alma Alen¬tejana e é desde a sua fundação em 2001, director da Revista Memória Alentejana. Tem vindo a estudar a importância da Poesia na Música Portuguesa no que con¬cerne aos cantores de intervenção, mas também numa perspectiva diacrónica des¬de os poetas Luso-Árabes (do séc. XI ao início do XXI). Publicou entre outros: Nova Antologia de Poetas Alentejanos (Org.), Colibri, Canto de Intervenção 1960 -1974, Público; José da Fonte Santa Memória (s). Colibri. Tem artigos em periódicos nacionais e estrangeiros e participou na Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX. Prepara livros sobre Urbano Tavares Rodrigues e Cláudio Torres. É investigador integrado do CHC/CHAM da FCSH/Universidade Nova de Lisboa. Orgulha-se de escrever como aprendeu.

Detalhes:

Ano: 2014
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 250
Formato: 23x16
ISBN: 9789727721740
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Maia
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

28/07/2017
VILA BOIM, da autoria de Rui Jesuíno
LANÇAMENTO: Dia 28 de Julho de 2017 (6.ª feira), às 19h00, em Vila Boim

28/07/2017
AO CAIR DA NOITE, da autoria de Albertino Bragança
LANÇAMENTO: dia 28 de Julho (6.ª feira), às 17h30, Auditório UCCLA, Lisboa. A apresentação contará com a presença de Dr. João Viegas de Abreu; Dr.ª Sheila Khan e Dr.ª Inocência Mata. Apontamento musical pelo cantor santomense Filipe Santo

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99