Salazar na Crise da Banca Madeirense

Uma Teia de Muitos Nós




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Com este livro procurou-se dar um contributo para a compreensão da grande crise que afectou as casas bancárias da Madeira na primeira metade do século XX, embora os efeitos económicos, sociológicos e psicológicos tenham ido além. As soluções tomadas por Salazar, enviesadas pelas intrigas e jogos de poder, deveriam ter sido outras, designadamente a fusão das diferentes casas bancárias. Salazar deixou-se enredar na teia de interesses dos seus apoiantes locais porque precisava, então, de dispor de um núcleo duro de apoio político no Funchal, como meio instrumental do seu processo de consolidação de poder. Neste contexto, Salazar como Ministro das Finanças e, depois, como Presidente do Conselho tornou-se, assim, o coveiro da falência da Banca Madeirense e o principal culpado desta crise gravíssima que espoliou a população da Madeira das poupanças depositadas na Banca, com realce para a Henrique Figueira da Silva, a maior casa bancária do Funchal e, durante algum tempo de grande confiança.************************************************** O trabalho Salazar na crise da Banca Madeirense procura analisar e interpretar os elementos de informação recolhidos sobre a grave crise que afectou os estabelecimentos bancários sedeados na Ilha da Madeira, na primeira metade do século XX, levando-os quase todos à falência.***************************************************** Como vem sendo meu hábito, incluo também na publicação alguns poemas, que aprecio, prestando assim uma homenagem muito singela aos poetas seleccionados. À minha neta, Maria Pereira, agora com 13 anos, mais uma vez a desafiei para um poema de sua autoria e fica aqui expresso o meu reconhecimento por ter correspondido. [POEMAS: - AS PESSOAS SENSÍVEIS, Sophia de Mello Breyner; - EPÍGRAFE PARA A ARTE DE FURTAR, Jorge de Sena; - SUBMISSÃO, Maria Pereira]

Índice:

1. Como nasceu este trabalho – O Livro


PRIMEIRA PARTE

2. Notas sobre o sistema bancário português
Breves antecedentes
Um parêntesis para um breve apontamento sobre a situação actual
O primeiro banco constituído em Portugal
Segunda metade do século XIX e crise monetária de 1891
O espaço monetário das Ilhas Adjacentes
Primeiras décadas do século XX
A Banca na Primeira República
Salazar e a Banca


SEGUNDA PARTE

3. As Casas Bancárias da Madeira
Difícil concertar as fontes e o número de casas bancárias
O Elucidário Madeirense e as casas bancárias
O perfil dos fundadores
A crise das casas bancárias
A nomeação de representantes do Governo nas casas bancárias
A posição de Salazar sobre a crise
Influências nas decisões de Salazar

Anexo I – carta confidencial do Governador Civil do Funchal Artur Cabaço a Salazar
Anexo II – carta confidencial de LuísVieira de Castro a Salazar


TERCEIRA PARTE

4. Os Actores da Banca Madeirense
4.0 As casas bancárias da Madeira
4.1 Banco da Madeira
Criação do Banco da Madeira
Filial de Lisboa
A falência do Banco da Madeira
Reconstituição do Banco da Madeira
O novo Banco da Madeira
O capital social do novo Banco da Madeira
Aspectos processuais da constituição do novo banco
Concessão e privilégios ao novo banco
A evolução do novo Banco da Madeira

4.2 Casa bancária Blandy Brothers
Como surge a casa bancária
Dimensão relativa da actividade bancária do grupo Blandy

4.3 Casa bancária Henrique Figueira da Silva
A suspensão de pagamentos
O processo de liquidação de Henriques Figueira da Silva
Os rateios
A venda de bens
A venda das fábricas S. Filipe e Lealdade
O que escreveu Salazar sobre esta casa bancária
4.4 Casa bancária Reid, Castro & C.ª
Quem constituiu e teve peso nesta casa bancária
A legislação bancária de 1925
O processo de falência
Carta ao Inspector do Comércio Bancário
O grande problema: como financiar a realização de obras?
Dimensão relativa da Reid, Castro & Cª
Negócios laterais

4.5 Casa bancária Rocha Machado
Fusão desta casa bancária

4.6 Casa bancária Rodrigues, Irmãos e Companhia
Comparação dimensional dos estabelecimentos a fundir
Nomeação de representantes para o após fusão

4.7 Casa bancária Sardinha & Companhia
A suspensão de pagamentos
A reconstituição da casa Sardinha & Cª
Prorrogações sucessivas de prazos
As situações polémicas
A fusão bancária

Anexo a esta terceira parte


ÍNDICE POEMAS

AS PESSOAS SENSÍVEIS – Sophia de Mello Breyner
EPÍGRAFE PARA A ARTE DE FURTAR – Jorge de Sena
ELE SEMPRE SERVIU O SENHOR – Maria Pereira



O AUTOR:

Joao Abel de Freitas, natural da Madeira, economista. Foi Director-Geral do Gabinete de Estudos e Prospectiva do Ministério da Economia (1998-2003) e Director da Revista Economia & Prospectiva (1999-2003). É autor e co-autor de diversas obras: Madeira que Futuro? edição de 1984. A Madeira na História. Escritos sobre a Pré-Autonomia (co-autor), editado em 2008. A Revolta do Leite. Madeira 1936, edição de 2011. A Madeira na Segunda Guerra Mundial. Economia, Política e Sociedade, editado em 2013. Tem vários artigos de análise económica na imprensa portuguesa, em algumas revistas e jornais europeus e participação em livros colectivos. Em 1975 (Abril/Setembro) integrou a Junta de Planeamento da Madeira como responsável das áreas de economia e finanças e, em 1974, a Comissão do Salário Mínimo para as então Ilhas Adjacentes.

Detalhes:

Ano: 2014
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 194
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-410-8
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
08/04/2017
MEMÓRIAS QUE FAZEM HISTÓRIA. Lapa dos Dinheiros uma Aldeia da Serra da Estrela, da autoria de Zita Rodrigues
LANÇAMENTO: Dia 08 de Abril de 2017 (Sábado) às 15h00, em Seia

06/04/2017
CRÓNICAS PRISIONAIS, da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: Dia 06 de Abril de 2017 (5.ª feira) às 18h00, sede da Ordem dos Médicos (Lisboa). Apresentação: Dr.ª Graciela Simões e a Drª. Filomena Fortes

31/03/2017
ECLÉTICA II - em formação (Regulamento)
INFORMAÇÃO DETALHADA: clique em "links" *ECLÉTICA II, nesta página

29/03/2017
INVESTIMENTO INTERNACIONAL INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES LOCAIS, com coordenação de Paula Urze e Vítor Corado Simões
LANÇAMENTO: Dia 29 de Março de 2017 (4.ª feira) às 17h30, no ISEG/UL, Lisboa. Apresentação: João Picoito [VP, Nokia Oy], Ana Teresa Tavares-Lehmann [FE, Universidade do Porto]

29/03/2017
OPINIÃO DO DIA - Expressão de Liberdade, da autoria de Jorge Gonçalves
LANÇAMENTO: Dia 29 de Março de 2017 (4.ª feira) às 18h00, na Universidade Lusófona, em Lisboa. Apresentação – Eduardo Fernandes, Economista

25/03/2017
NORDESTE ALENTEJANO. Etnografia, Literatura, Oralidades, Arqueologia e História Montalvão, Póvoa e Meadas e Castelo de Vide, da autoria de Martins Barata
LANÇAMENTO: Dia 25 de Março de 2017 (Sábado) às 16h30, na Associação Vamos à Vila, Montalvão (c. de Nisa)

25/03/2017
ECLÉTICA - Antologia da Lusofonia que contempla todos os géneros literários (vol. I)
LANÇAMENTO: 25 (sáb.) de março de 2017, às 16 horas, na Casa do Alentejo, em Lisboa

24/03/2017
CRÓNICAS DO BAR DOS CANALHAS, Coordenado por Eduardo Águaboa
APRESENTAÇÃO: Dia 24 de Março de 2017 (6.ª feira) às 21h00, na Associação do Porto de Paralisia Cerebral, Porto. Apresentação – Vieira Duque (Conservador da Fundação Dionísio Pinheiro e Alice Cardoso Pinheiro)

28/02/2017
ODÉLIA E A METAFÍSICA, de Fernando Barata Freitas
DISPONÍVEL PARA VENDA a mais recente obra de Fernando Barata Freitas. Aqui mesmo: http://www.edi-colibri.pt/Detalhes.aspx?ItemID=2081

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99