Portugal face à Grande Guerra em 1914‐1915




Recomendar livro a um amigo
Autoria: João Freire

Sinopse:

O presente livro reúne quatro ensaios de análise histórica, numa perspectiva sócio‐política, sobre o período que antecede imediatamente a entrada oficial de Portugal na Grande Guerra. A partir da eclosão do conflito armado na Europa em Agosto de 1914, as autoridades portuguesas colocaram‐se numa situação diplomática ambígua, não assumindo uma posição de beligerância perante a Alemanha mas também não se declarando como país neutral, esperando que fosse a Inglaterra a solicitar expressamente a nossa intervenção, nos termos dos velhos tratados de aliança entre as duas nações. Entretanto, desenvolveram‐se desde logo operações de guerra nos territórios alemães do Sudoeste Africano e do Tanganica, fronteiriços a Angola e a Moçambique, entre tropas coloniais germânicas e do Império Britânico, bem como no oceano Atlântico norte, obrigando as forças portuguesas de mar e terra a reforços de vigilância e preparação para fazer respeitar a soberania nacional e os seus interesses mais imediatos. São estas “frentes de guerra” – ainda não declarada, mas já motivo de diversos incidentes e perdas humanas – que aqui são apresentadas criticamente em três ensaios distintos, antecedidos de um outro texto onde se analisam as controvérsias e conflitos internos entre forças sociais e políticas acerca da eventual participação portuguesa, no período que antecede a declaração de guerra de Março de 1916.

Índice:

Nota explicativa

Adeptos e opositores à entrada de Portugal na Guerra

1. Preâmbulo
As teses gerais sobre a participação portuguesa na guerra e uma nova hipótese
As forças em (o)posição

2. A guerra como perspectiva

A – Opiniões doutrinárias expressas publicamente que permitam aquilatar da disposição racional e anímica destes quadros perante o hipotético envolvimento de Portugal na guerra
Revista Militar
Anais do Clube Militar Naval

B – Avaliação do estado de coesão das tropas nos quartéis, a partir das estatísticas judiciais castrenses

C – Referências esparsas quanto ao grau de satisfação dos quadros militares, sob a República

D – Indícios de preocupação quanto à propaganda das ideias internacionalistas, pacifistas e anti-militaristas, e afirmação de valores contrários

E – Correntes de opinião internacionalistas, pacifistas e anti-militaristas veiculadas em Portugal

3. Decisões, acções e resistências, ao ritmo da vida política nacional

4. Conclusões

Fontes

Bibliografia




O AUTOR:
João Freire é sociólogo e Professor Emérito do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa. Foi, em jovem, oficial da Armada. Entre outros livros, publicou Anarquistas e Operários (1992), Sociologia do Trabalho: Uma Introdução (1993 e 2002), Homens em Fundo Azul Marinho (2003), Pessoa Comum no seu Tempo (2007), Economia e Sociedade (2008), A Marinha e o Poder Político em Portugal no Século XX (2010), Elementos de Cultura Militar (2011), Do Controlo do Mar ao Controlo da Terra (2013) e Crónicas de um Tempo Sombrio (2013).

Detalhes:

Ano: 2014
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 188
Formato: 23x16
ISBN: 978‐989‐689‐433‐7
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99