Estudos Gerais Universitários de Angola. 50 anos

História e Memórias




Recomendar livro a um amigo
Autoria: AAVV

Sinopse:

A criação dos Estudos Gerais Universitários de Angola e, também, na mesma data, de Moçambique foi antecedida de uma grande batalha e, por isso, acompanhada de um erro e de um compromisso. O erro traduziu-se no título das instituições, chamadas Estudos Gerais com o intuito de ficar afirmado que tinham a mesma intenção, dignidade e responsabilidade das mesmas instituições ocidentais usadas na Europa havia séculos. O compromisso teve origem na necessidade de ultrapassar as resistências, desactualizadas nos tempos e nas convicções de muitos, de que era necessário continuar a exigir e manter o ensino superior na metrópole como instrumento para assegurar a unidade prevista na Constituição de 1933. Neste caso tratou-se de um conflito de experiência e de concepção. Quanto à concepção, a ideia de unidade de Portugal nasceu da visão, confirmada por factos históricos, como a Restauração de 1640, de que os portugueses, emigrados pelas cinco partidas do mundo, e os descendentes manteriam essa comunidade, em primeiro lugar de afectos e, depois, de solidariedade e interdependência, que se chama Nação. Uma concepção que seria alargada, com expressão viva no Comandante João Belo, na esperança da assimilação que viesse a unir europeus e gentes das terras. Uma concepção ideológica contraditória com o próprio ensino universitário da época, provavelmente inspirado nas independências do continente americano, e que usava o exemplo de os filhos se separarem dos pais, o que estava em contradição evidente com a interpretação constitucional. Mas era mais relacionada com a convicção da preservação da unidade imperial o engano de que tal objectivo da unidade era melhor servido pela manutenção na metrópole do exclusivo ensino superior que, apenas, tinha excepção na Escola Médica do Estado da Índia, cujos diplomas não eram reconhecidos suficientes na metrópole. [do prefácio de Adriano Moreira]

Detalhes:

Ano: 2014
Capa: capa dura
Tipo: Livro
N. páginas: 376
Formato: 22x30,5
ISBN: 978-989-689-441-2
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
23/11/2019
ROSÁLIA – A menina Exposta da Roda, da autoria de Florbela Teixeira
LANÇAMENTO: dia 23 de Novembro de 2019 (sábado), das 16h00 às 18h00, na Biblioteca Municipal de Palmela

20/11/2019
A ILHA É UMA LUPA, da autoria de Maria José Nazaré
LANÇAMENTO: dia 20 de Novembro (4.ª feira) às 18h30, no Espaço UCCLA, em Lisboa

16/11/2019
CASTELO DE VIDE – História e Sociedade (1906 a 1951), da autoria de Mateus da Cruz Maniés (†)
LANÇAMENTO: dia 16 de Novembro (sáb.) às 16h00, na Fundação Nossa Senhora da Esperança, em Castelo de Vide. Apresentação: Professor Doutor Francisco Sepúlveda Teixeira

14/11/2019
TEXTO E(M) LINGUÍSTICA, da autoria de Antónia Coutinho
LANÇAMENTO: dia 14 de Novembro (5.ª feira) às 18h30, na NOVA FCSH, em Lisboa

14/11/2019
KOSOVO – A Incoerência de uma Independência Inédita, da autoria de Raul Cunha
APRESENTAÇÃO: dia 14 de Novembro de 2019 (5.ª feira), às 17h00, no Comando do Pessoal do Exército, no Porto. Apresentação MGen Carlos Branco

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99