Ser Criança Não Deveria Doer

Contribuição para uma tipologia de maus-tratos infantis diagnosticados num Hospital de Lisboa




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Zélia Barroso

Sinopse:

Este livro baseia-se nos resultados de uma investigação sociológica sobre crianças vítimas de maus-tratos, diagnosticados nos serviços de Pediatria e Pedopsiquiatria de um Hospital público de Lisboa. As suas conclusões desafiam pré-noções que teimam em associar apriorística e exclusivamente maus-tratos a meios sociais desfavorecidos. Pelo contrário, afectam na generalidade crianças provenientes de todos os meios sociais, afectam-nas porém diferentemente, consoante a posição que a família de pertença da criança ocupa no espaço social. Contribuir para a construção de uma tipologia de maus-tratos infantis e para o desenvolvimento da investigação deste problema social, constitui o objectivo principal desta obra, que se espera ser útil para todos os que lidam de perto com crianças e (potencialmente) com esta dura realidade.

Índice:

Introdução

PARTE I – DO PROBLEMA SOCIAL AO PROBLEMA SOCIOLÓGICO
1. Definição do problema
2. Perspectiva histórica sobre a infância e os maus-tratos à criança
3. Emergência da criança maltratada como problema social
4. A conquista de visibilidade dos maus-tratos infantis

PARTE II – MAUS-TRATOS INFANTIS DIAGNOSTICADOS NUM HOSPITAL DE LISBOA
1. Metodologia
1.1. Definição do objecto de estudo
1.2. Os dados em análise
1.3. Contribuição para uma tipologia do abuso infantil
1.4. Caracterização dos tipos de maus-tratos

2. Contexto social das famílias
2.1. Tipo de residência
2.2. Estrutura do agregado familiar
2.3. Tipos de família
2.4. Idade dos pais
2.5. Nível de instrução dos pais
2.6. Grupo profissional dos pais
2.7. Situação dos pais perante a profissão
2.8. Estado civil dos pais
2.9. Violência na relação conjugal dos pais
2.10. Disfunções do grupo doméstico das crianças

3. As crianças vítimas de maus-tratos
3.1. Género
3.2. Idade
3.3. Antecedentes das crianças
3.4. Relação das crianças com a escola

4. Os agressores
4.1. Parentesco do agressor com a criança
4.2. Maus-tratos e coabitação do agressor com a criança
4.3. Disfunções do agressor

5. A consulta no hospital
5.1. Os delatores dos maus-tratos
5.2. Motivo
5.3. Acompanhante da criança ao hospital

CONCLUSÕES

BIBLIOGRAFIA


A AUTORA:

Zélia Barroso é socióloga, formadora e investigadora dedicada ao estudo da violência doméstica e de género, desde 2002. É autora e co-autora de vários trabalhos científicos publicados sobre a violência nas relações amorosas, com especial enfoque para a reprodução de trajectórias de vitimação (feminina/masculina) que, muitas vezes, têm início durante a infância e se repercutem na idade adulta.

Detalhes:

Ano: 2015
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 118
Formato: 23x16
ISBN: 978-972-772-686-8
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
03/12/2020
MUNDO(S) – Livros 9 – Coletânea de Poesia Lusófona
APRESENTAÇÃO: dia 3 (5ª feira) de dezembro, pelas 21h30, via ZOOM

27/11/2020
AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS – Os Desafios para Portugal depois do Acordo de Paris, coord. de José Almeida Silva
LANÇAMENTO: dia 27 de Novembro (sexta-feira), às 18h00, Via Youtube (em https://youtu.be/k4anrR7g8FQ), com Viriato Soromenho Marques (comentador), Ana Bastos e Mónica Truninge

27/11/2020
CASIMIRO FREIRE, com org. de Joaquim Pintassilgo e Isabel Freire Ferreira
APRESENTAÇÃO: dia 27 de Novembro (6.ª feira), às 18h00, via ZOOM (https://videoconf-colibri.zoom.us/j/86315834032). Intervenções: António Ventura (FLUL) e Justino Magalhães (IEUL)

26/11/2020
OS SONHOS DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS, de Maria José Maurício
APRESENTAÇÃO: Dia 26 de Novembro de 2020 (quinta-feira), às 17h30, na Casa do Alentejo (Salão Agostinho Fortes), em Lisboa. Apresentação – Almirante Martins Guerreiro

31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99