Guerra e Paz

A Ordem de Santiago em Portugal




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

No ano 1099, após uma mobilização sem precedentes, o mundo cristão Ocidental protagonizava a conquista de Jerusalém. Pouco tempo depois da primeira cruzada, em 1120, nascia a Ordem do Templo, a primeira a conjugar a vocação e as capacidades da cavalaria com as virtudes e os preceitos monásticos, uma fórmula inovadora, definida e exaltada por S. Bernardo de Claraval. A partir de então, este é o modelo adoptado pelas Ordens Militares que se criam no Oriente latino e no Ocidente, sujeitas a uma regra de vida comum e reconhecidas por Roma como o legítimo braço armado para a defesa da Igreja e da Cristandade. Quase todas seguiam a regra cisterciense mas a Ordem de Santiago era uma das excepções, pois o ideário da sua normativa fundava-se nos princípios agostinhos. Ela configurava bem os preceitos doutrinais e militares inspirados pelo movimento de cruzada e transpostos para o contexto peninsular, então em pleno processo de expansão territorial dos seus reinos cristãos. Originária do reino de Leão, a Ordem vai alargar a sua intervenção a Castela e Aragão, recebendo amplas doações dos monarcas desses reinos. A formação de Portugal, enquanto espaço definido por uma fronteira e liderado por um monarca, contou com o envolvimento activo de várias Ordens religioso-militares – a do Templo, a do Hospital ou de S. João de Jerusalém, a dos freires de Évora (mais tarde designada de Avis) e a de Santiago – que, ao serviço do rei e integradas nas suas hostes, eram a melhor expressão do profissionalismo militar de uma cavalaria motivada, bem treinada e bem equipada. Temida pelo adversário, era factor de confiança para os contingentes de peões, maioritários nos exércitos de então, e para uma população de cristãos e de muçulmanos (os que aceitaram permanecer sob a protecção régia portuguesa), em permanente instabilidade nos territórios de fronteira, que viam nas forças militares do reino e nos miles christi uma esperança de sobrevivência e de paz. A eficácia em campo de batalha e a imagem cruzadística da época criaram em torno das Ordens Militares uma auréola mística em que se mesclavam os princípios religiosos da cristandade Ocidental e a legitimidade de uma expansão territorial com contornos particulares na península Ibérica. Em Portugal desde 1172, a Ordem de Santiago logrou também obter múltiplos favores régios pelo seu desempenho nas conquistas a Sul do Tejo, tornando-se talvez a mais poderosa Ordem Militar das centúrias de duzentos e trezentos em Portugal. [Isabel Cristina Ferreira Fernandes, Comissária científica da exposição].

Índice:

9 Texto Presidente da Câmara Municipal de Palmela
11 Texto Director do Museu da Presidência da República
13 Texto Comissária Científica da Exposição
17 1. origens da ordem de santiago
19 As Ordens Militares no Mundo Medieval:
Formação e Pressupostos Legitimadores de uma Guerra Santa
23 A Ordem de Santiago entre a Península Ibérica e o Oriente Latino
29 A Ordem de Santiago e as outras Ordens Peninsulares
35 2. combater em nome de deus
39 A Ordem de Santiago no Portugal Medieval
43 A Atividade Militar da Ordem de Santiago
47 Alcácer do Sal e a Ordem de Santiago
49 Mértola e a Ordem de Santiago
65 3. a religiosidade dos freires
69 A Espiritualidade dos Freires da Ordem de Santiago
73 Patrocínios, Tipologias e Atributos de Santiago Maior
97 4. gestão de bens e poderes
101 A Administração dos Bens na Ordem de Santiago
105 A Ordem de Santiago e a Expansão
109 Acção Mecenática e Produção Artística no Seio da Ordem de Santiago
123 5. os conventos de palmela
125 Os Conventos de Palmela
129 O Governo de D. Jorge, Último Mestre da Ordem de Santiago
145 6. a incorporação na coroa
147 A Ordem de Santiago, 1551-1789
151 A Ordem de Santiago desde a Reforma de D. Maria I à Actualidade
155 O Padre Marcos, Freire da Ordem de Santiago, no Liberalismo Português
179 Bibliografia

Detalhes:

Ano: 2015
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 184
Formato: 23x23
ISBN: 978-989-689-533-4
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
07/10/2018
HISTÓRIAS DE VIDA NO PORTUGAL DO SÉCULO XX, da autoria de Grupo de Amigos de Montemor-o-Novo
LANÇAMENTO: dia 07 de Outubro (domingo), às 16h00, na Biblioteca do Convento de S. Domingos, em Montemor-o-Novo

29/09/2018
A GUERRA NA ANTIGA JUGOSLÁVIA VIVIDA NA PRIMEIRA PESSOA, Coord. de Carlos Branco, Henrique Santos, Luís Eduardo Saraiva
APRESENTAÇÃO: 28 de setembro (6.ª feira), às 16h00, no Quartel de Santo Ovídeo, no Porto. Apresentação: D. Manuel da Silva Rodrigues Linda (Bispo do Porto)

28/09/2018
OS MOINHOS E OS MOLEIROS DO RIO GUADIANA, da autoria de Luís Silva
APRESENTAÇÃO: Dia 28 de Setembro de 2018 (6.ª feira), 14h00-16h00, no Auditório 2, Torre B, 3º Piso, NOVA FCSH, em Lisboa. Apresentação: Pedro Prista (CRIA/ISCTE-IUL)

28/09/2018
DICIONÁRIO DE FILOSOFIA E ONTOLOGIA, da autoria de Francisco Limpo Queiroz
LANÇAMENTO: 28 de setembro (6.ª feira), às 21h30, na Biblioteca Municipal José Saramago, em Beja

27/09/2018
A GUERRA NA ANTIGA JUGOSLÁVIA VIVIDA NA PRIMEIRA PESSOA, Coord. de Carlos Branco, Henrique Santos, Luís Eduardo Saraiva
APRESENTAÇÃO:dia 27 de setembro de 2018 (quinta-feira), às 18h00, em Vila Real. Apresentação: Elísio Amaral Neves

27/09/2018
INVESTIGAÇÃO, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO, da autoria de António Domingos, Elisabete Xavier Gomes, José Manuel Matos, Mariana Gaio Alves
LANÇAMENTO: Dia 27 de Setembro de 2018 (5.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Municipal dos Coruchéus, em Lisboa. Apresentação: Nair Rios Azevedo; Comentário: António Nóvoa

26/09/2018
GRANDE GUERRA 1914-1918, da autoria de Ana Maria Paiva Morão
APRESENTAÇÃO: dia 26 de Setembro (4.ª feira), às 18h00, na Casa dos Burgos em Évora

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99