Cidadão e Marinheiro

Livro de Homenagem ao Contra-Almirante Vítor Crespo




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

O almirante Vítor Crespo [1932-2014] foi um cidadão e um português fora do comum. Natural de Porto de Mós, de uma família ilustre de tradição liberal oitocentista, frequentou a Universidade de Coimbra e a Escola Naval, entrando na carreira de oficial da Armada em 1956, na classe de Marinha. Serviu no antigo Estado Português da Índia, especializou-se em artilharia e recebeu navios acabados de adquirir em Inglaterra e na Alemanha. Embarcou em fragatas, comandou uma corveta em África e foi professor da Escola Naval. Além da vida no mar, estas experiências potenciaram a sua atracção pela ciência, a cultura e a participação cívica. [...] Sem estranheza, Vítor Crespo envolve-se no MFA e está na Pontinha na madrugada de 25 de Abril de 1974 representando a Armada. Membro do Conselho de Estado, desempenha os cargos de Alto-Comissário da República e Comandante-Chefe das Forças Armadas em Moçambique entre Setembro de 1974 e Junho de 1975, assegurando a transição para a Independência deste território. Posteriormente, é ministro no VI Governo Provisório. Foi membro do Conselho da Revolução até à extinção deste órgão em 1982; e sócio fundador da Associação 25 de Abril. [...] Vítor Manuel Trigueiros Crespo ascende ao posto de contra-almirante em 1982, tendo obtido, por sua iniciativa, a satisfação das respectivas condições de promoção. Desempenhou em seguida várias funções militares compatíveis, embora sem o comando directo de forças, até à sua passagem à reserva e além dela. Em tal período, exerceu os cargos de director do Serviço de Justiça da Armada (1984-1988), de director da Biblioteca Central da Marinha (1989-1997) e de presidente da Comissão Cultural de Marinha (1991-1997). Passou à situação de reforma, por limite de idade, em 1997. Foi representante do Ministério da Defesa Nacional na Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses (1992-1998). Também ingressou na Academia de Marinha, por eleição dos consócios, como sócio correspondente em 1992, passando a efectivo em 1998 e a membro emérito em 2012. Na sua nota de assentos militares constam diversos louvores, três grã-cruzes de ordens honoríficas, quatro medalhas de Serviços Distintos e outras condecorações.

Índice:

Apresentação

Testemunhos
Memórias de infância e juventude: Porto-de-Mós e Leiria
Francisco Roque

Uma carreira naval
António Carlos Fuzeta da Ponte

Um marinheiro apaixonado pelo saber teórico
João Caiado Gago Falcão de Campos

Vítor Crespo e a artilharia naval
Nuno Vieira Matias

Um mestre que marcou uma geração
Adelino Rodrigues da Costa

No comando do N.R.P. Jacinto Cândido
António Rodrigues Ponte

No ‘Posto de Comando’ na Pontinha em 25 de Abril de 1974
Amadeu Garcia dos Santos

O almirante Vítor Crespo e o MFA
Manuel Franco Charais

O imediato pós 25 de Abril de 1974 – Um testemunho
António Romão

Vítor Crespo, o 1.º Governo Provisório e a descolonização
Vasco Vieira de Almeida

Breve homenagem ao almirante Vítor Crespo, honorável “Capitão de Abril” e ilustre político após Abril
António Almeida Santos

O almirante Vítor Crespo em Moçambique. Contribuição para a criação das bases da futura convivência sã entre Moçambique e Portugal
Joaquim Alberto Chissano

Tempestade em terra firme
Óscar Monteiro

O almirante Vitor Crespo – Um privilégio tê¬ lo conhecido e com ele ter podido colaborar
Manuel Brandão Alves

Vítor Crespo: um militar de Abril, obreiro da transição colonial para a cooperação
Jorge Sampaio

Fonte de exemplo
António Ramalho Eanes

Vítor Crespo – Capitão de Abril: marinheiro e cidadão
Manuel Martins Guerreiro

Militar, cidadão, patriota exemplar
Vasco Lourenço

Vítor Crespo, a cultura e o património naval
José Luís Leiria Pinto

O almirante Vítor Crespo que eu conheci
Fernando de Melo Gomes

De quantos gestos se faz uma democracia: Vítor Crespo – A firmeza serena das convicções
Maria Inácia Rezola

O almirante Vitor Crespo que eu conheci
Luísa Tiago de Oliveira

Uma figura de cidadão
Artur Santos Silva


Ilustrações


Bibliografia e Textos



DATA DE PUBLICAÇÃO: Dezembro de 2015

Detalhes:

Ano: 2015
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 228
Formato: 16x23
ISBN: 978-989-689-532-7
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
28/11/2017
E ANICETO VEM À LUZ, da autoria de Joseia Matos Mira
LANÇAMENTO: Dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa. Apresentação: Fernando Couto e Santos

28/11/2017
CONVERSAS SOBRE HISTÓRIA DA MÚSICA, da autoria de Jorge Costa Pinto
LANÇAMENTO: dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), entre as 11h30 e as 12h30, na Salão Nobre Academia Sénior, na Parede

27/11/2017
ROMEU CORREIA, com coordenação de Edite Simões Condeixa
LANÇAMENTO: Dia 27 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada. Apresentação: Vitor Fernandes – poeta e romancista

25/11/2017
ANTÓNIO MARIA LISBOA – Eterno Amoroso, da autoria de Joana Lima
LANÇAMENTO: dia 25 de Novembro de 2017 (sábado), às 17h00, na Livraria Letra Livre, Galeria Zé dos Bois, em Lisboa

20/11/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 20 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, Auditório da Reitoria da Universidade da Madeira. Apresentação – Marcelino de Castro (Director da Revista Islenha)

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99