Vendas Novas – Das Passagens e dos Passantes

Cenas de uma vila tranquila




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Leonel da Cunha

Sinopse:

O facto desta narrativa representar as memórias do autor sobre a sua infância e juventude vividas na alentejana localidade de Vendas Novas não é restritiva no interesse que deve suscitar ao público em geral. Aqui, nas páginas que se seguem, estão retratados jeitos de ser, formas de pensar, tradições, costumes e curiosidades históricas que fazem parte de uma época que as gerações mais jovens não viveram e que só podem conhecer através da memória e da experiência dos mais velhos. Para além disso, a forma afectuosa com que o autor descreve o seu tempo e, talvez mais do que isso, a sua terra, torna esta narrativa uma fonte de informação extensa para todos os que fizeram de Vendas Novas o seu local predilecto de passagem ou nela assentaram as suas vidas. ¶ [Magda Sofia Roberto]

Índice:

Prefácio
Nota prévia

Parte I
Evocação do “Ti António da Máquina” e outros devaneios
1 – Um percurso rotineiro
2 – A teimosia de um militar orgulhoso da sua farda
3 – Uma questão de camaradagem
4 – O capitão Sousa
5 – A água do chafariz
6 – As estalagens de outrora e os seus parentes de agora
7 – Há males que vêm por bem
8 – As lavadeiras do chafariz
9 – Os aguadeiros e não só
10 – Uma visita oportuna
11 – Na intimidade do Tio António
12 – Os habitantes do Bairrum
13 – Casos e acasos na vida do cabo António
14 – Os benefícios decorrentes da presença da E.P.A
15 – A solidão
16 – Como foi que o Tio António veio a conhecer a menina Conceição e revelou o seu passado
17 – A costumeira ilusão paterna
18 – O curso natural da vida

Parte II
A importância das colectividades na sociedade vendasnovense dos anos quarenta.
(Os bailes enquanto distracção popular e … forma de encontrar casamento)
1 – Um certo estado de espírito
2 – O filho rebelde
3 – As reacções ao pós-guerra, descambando nos desvarios da Belle Époque
4 – Reflexões em véspera da partida
5 – Desassossegos de mãe e… de mulher
6 – O espírito das colectividades do antigamente
7 – As colectividades vendasnovenses daquele tempo
8 – Noite de baile da pinha no C. A. M.
9 – Um pedido que é simultaneamente um elogio
10 – Vida nova

Parte III
Os meninos do polígono (ignorados heróis de uma guerra do faz-de-conta) e o mais que adiante se saberá
1 – O menino e a avó
2 – Carlinhos, o menino da mamã
3 – A caminho da mercearia dos Silvas, com outras estórias à mistura
4 – Enfim, a dita mercearia
5 – Um caixeiro descontente e de um menino impertinente
6 – Quem porfia sempre alcança
7 – O regresso a casa do menino provocador com outros devaneios
de permeio
8 – Tempos de crise e de medo
9 – Produzir e poupar conforme manda o Salazar
10 – As razões do recurso ao fiado
11 – O desassossego do Sr. Silva e a revolta do seu herdeiro
12 – Um bairro singular
13 – A Rotunda enquanto comunidade ferroviária
14 – O momentâneo desencanto de um menino mimado
15 – As curraletas. Dos prosaicos embarques de gado aos diversos devaneios da fantasia infantil
16 – Das festas, as vésperas.
17 – Uma surpresa adiada
18 – Final inesperado

Parte IV
Mudam-se os tempos
1 – O primeiro contacto com o Cabanas
2 – No tempo dos candeeiros a petróleo
3 – Revisitando a taberna do Alberto Marreco
4 – Da taberna do Alberto Marreco para o recinto da feira de… vaidades
5 – A integração
6 – O despertar dos fervores da adolescência
7 – Ascensão e queda do café Alentejano
8 – O contributo do teatro amador no desenvolvimento cultural das populações
9 – O sonho (irrealizável) de um artista de teatro amador
10 – Noite de ensaio geral no Estrela Futebol Clube
11 – Irreverência e tropelias estudantis
12 – A ponte dos amores
13 – O dia da decisão e o mais que adiante se saberá
14 – Encontros e desencontros
15 – A peça que … tropeça
16 – Finalmente o acesso
17 – Deslumbramento e desencanto
18 – Noite de dupla insónia
19 – Outro mundo, outras gentes
Epílogo


O AUTOR:

Leonel da Cunha – Nasci em Lisboa no dia 17 de Novembro de 1935 na maternidade Alfredo da Costa. Contudo passei dois terços da minha vida em Vendas Novas. ¶ Estudei até ao 5.º ano no Colégio de Vendas Novas e completei o 7.º ano em Évora. Nesse mesmo ano concorri aos CTT tendo sido aprovado. ¶O meu primeiro trabalho no Correio foi em Câmara de Lobos, e depois no Funchal, onde estive cerca de um ano. ¶ Regressado ao continente fui colocado na estação de Lavre, onde estive 7 anos. ¶ Depois fui transferido para Vendas Novas onde desempenhei as funções de chefe de estação durante outros 7 anos. ¶ Seguidamente trabalhei para a Direcção Geral do Correio na área da distribuição domiciliária e durante este período fiz estágios (de Organização e Métodos) em França e na Suíça. ¶ Fui coordenador da implantação do Código Postal a nível nacional e dei formação na área da distribuição domiciliária aos PALOP. ¶ Reconhecido como especialista em organização nesta área, fui convidado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) a fim de organizar a distribuição domiciliária nas cidades da Praia e do Mindelo. ¶ Uma vez na reforma dediquei-me a escrever artigos para o jornal a Gazeta de Vendas Novas durante cerca de 12 anos.

Detalhes:

Ano: 2016
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 346
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-506-8
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
28/11/2017
E ANICETO VEM À LUZ, da autoria de Joseia Matos Mira
LANÇAMENTO: Dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa. Apresentação: Fernando Couto e Santos

28/11/2017
CONVERSAS SOBRE HISTÓRIA DA MÚSICA, da autoria de Jorge Costa Pinto
LANÇAMENTO: dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), entre as 11h30 e as 12h30, na Salão Nobre Academia Sénior, na Parede

27/11/2017
ROMEU CORREIA, com coordenação de Edite Simões Condeixa
LANÇAMENTO: Dia 27 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada. Apresentação: Vitor Fernandes – poeta e romancista

25/11/2017
ANTÓNIO MARIA LISBOA – Eterno Amoroso, da autoria de Joana Lima
LANÇAMENTO: dia 25 de Novembro de 2017 (sábado), às 17h00, na Livraria Letra Livre, Galeria Zé dos Bois, em Lisboa

20/11/2017
JOÃO INOCÊNCIO CAMACHO DE FREITAS, da autoria de João Abel de Freitas
APRESENTAÇÃO: Dia 20 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, Auditório da Reitoria da Universidade da Madeira. Apresentação – Marcelino de Castro (Director da Revista Islenha)

18/11/2017
ANGOLA – O 4 de Fevereiro de 1961 em Luanda e Outras Memórias, da autoria de César Gomes
LANÇAMENTO: dia 18 de Novembro de 2017 (sábado), às 15h30, Auditório do Hotel Solverde, Granja (Espinho)

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99