Sociedade e Violências

Dinâmicas Sociais e representações de Violência




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Em Portugal, e após uma década de institucionalização das mudanças políticas ocorridas depois de Abril de 1974, os anos noventa do século passado corresponderam a um período de implementação de múltiplas políticas públicas, abrangendo diferentes domínios e que, de algum modo, procuraram corrigir os efeitos de uma modernização que tardava em ocorrer no país. Dão-se, também, os primeiros passos na integração Europeia. Este livro aborda alguns dos pilares da construção de uma sociedade moderna, como a segurança, a relação com o outro e uma cidadania pautada pela maior igualdade social e uma vida quotidiana menos violenta, tanto na esfera pública como na privada.

Índice:

NOTA PRÉVIA

INTRODUÇÃO

1. ASPECTOS METODOLÓGICOS
1.1. Questionário
1.2. Amostra
1.3. Administração do questionário
1.4. Tratamento dos dados e análise dos resultados
1.5. Algumas variáveis de caracterização da amostra
1.5.1. Sexo
1.5.2. Idade
1.5.3. Distrito de residência
1.5.4. Nacionalidade
1.5.5. Nível de instrução formal
1.5.6. Actividade profissional

2. PERCEPÇÃO DOS ACTOS MAIS VIOLENTOS,
SUA FREQUÊNCIA E SENTIMENTOS QUE PROVOCAM ................ 33
2.1. Percepção dos actos mais violentos
2.2. Percepção da sua frequência
2.3. Percepção dos sentimentos que provocam
2.4. Sentimento de insegurança e representação dos actos mais violentos
2.4.1. Frequência em relação ao inquirido
2.4.2. Actos que mais se relacionam com a construção do sentimento de insegurança

3. PERCEPÇÃO DOS ACTOS MAIS FREQUENTES EM PORTUGAL A PESSOA CONHECIDA OU AO PRÓPRIO
3.1. Percepção dos actos que mais ocorrem em Portugal
3.2. Vitimação ou conhecimento da mesma
3.3. Acto de que se foi vítima

4. PERCEPÇÃO DAS CAUSAS E DAS MEDIDAS A ADOPTAR CONTRA A VIOLÊNCIA EM PORTUGAL
4.1. Percepção das causas da violência
4.2. Percepção das medidas adequadas para fazer diminuir a violência
4.3. Valores e percepção da violência

5. REPRESENTAÇÕES DA VIOLÊNCIA E PERCEPÇÃO
DO “OUTRO”

6. A REPRESENTAÇÃO DA DROGA COMO CAUSA DE VIOLÊNCIA

7. REPRESENTAÇÕES DA VIOLÊNCIA E SENTIMENTO DE INSEGURANÇA

8. REPRESENTAÇÕES DA VIOLÊNCIA E DINÂMICAS SOCIAIS

Bibliografia

Índice de gráficos

ANEXO

Questionário



AUTORES

Nelson Lourenço – Professor Catedrático Jubilado da Universidade Nova de Lisboa. Professor dos Cursos de Mestrado e Doutoramento em Direito e Segurança da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. Professor Visitante da Universidade Agostinho Neto, Luanda, docente nos Cursos de Mestrado e de Doutoramento da Faculdade de Ciências Sociais e da Faculdade de Direito. Presidente do Grupo de Reflexão Estratégica sobre Segurança. Membro da Direcção do Instituto de Direito e Segurança, da Universidade Nova de Lisboa. Integrou a Comissão para a Revisão do Conceito Estratégico de Defesa Nacional (2012, MDN). Coordenou o Grupo de Estudos Reforma do Modelo de Organização do Sistema de Segurança Interna – Modelo e Cenários (Instituto Português de Relações Internacionais, da Universidade Nova de Lisboa, 2006). Foi Presidente do Comité Português do Programa Intergovernamental MOST – Management of Social Transformations, da UNESCO. ¶¶ Manuel Lisboa – Professor Associado com Agregação na Universidade Nova de Lisboa. Director do Observatório Nacional de Violência e Género e investigador no Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais (CICS.NOVA), onde tem coordenado ao longo das últimas décadas vários projectos de investigação nas áreas do crime e da violência contra as mulheres, doméstica e de género, alguns deles pioneiros em Portugal e no contexto europeu. ¶¶ Maria João Leote de Carvalho – Investigadora do Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais CICS.NOVA da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (CICS.NOVA.FCSH/UNL), onde coordena a linha de investigação Direitos, Vulnerabilidade e Justiça. É um dos membros fundadores da secção temática Sociologia do Direito e da Justiça da Associação Portuguesa de Sociologia. Na qualidade de perita em justiça juvenil, é membro do European Council for Juvenile Justice do IJJO International Juvenile Justice Observatory. ¶ ¶ Maria Graça Frias – Mestre em Sociologia – Violência, Crime e Segurança Interna – na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, variante de Violência, Crime e Sociedade. Assistente de Investigação do SOCINOVA – Gabinete de Investigação em Sociologia Aplicada da Universidade Nova de Lisboa

Detalhes:

Ano: 2016
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 128
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-587-7
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Matos
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

24/08/2017
O BARRANQUENHO - Língua, Cultura e Tradição, da autoria de María Victoria Navas
LANÇAMENTO: Dia 24 de Agosto de 2017 (5.ª feira), às 21h00, no Museu Municipal de Arqueologia e Etnografia, em Barrancos

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99