Angola – Sonho e Pesadelo (3.ª edição)




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Adolfo Maria

Sinopse:

Este livro é o testemunho comovente e dramático de um homem de convicções coagido a viver consigo próprio numa total solidão, submetido à angústia e à incerteza desgastantes, com uma força de vontade psicológica que procurava dominar o corpo e o espírito, para guardar o equilíbrio físico e mental face ao sofrimento e à iminência da morte. Para o leitor que, como me aconteceu, provavelmente devorará de um fôlego estas páginas emocionantes, um dos momentos mais angustiantes talvez seja aquele em que, já amnistiado, foi ainda submetido – como Sísifo na sua montanha – ao suplício de interrogatórios repetitivos e cruéis, ainda que sem violência física, que não tinham qualquer justificação ou lógica que não fosse a de uma vingança mesquinha da polícia política que se sentia “ridicularizada” por ele ter escapado à sua fúria assassina durante mais de dois anos e meio. Antes de ser um documento histórico ou um exercício literário, aliás de evidente qualidade, este livro é, entre o sensível e o inteligível, o testemunho dilacerante de um ser a lutar desesperadamente pela sua vida, sem nunca ceder à adversidade e à solidão. Afinal de contas também estamos perante um verdadeiro manual de sobrevivência. Durante a sua leitura ocorreu-me pensar em Kafka e até no conde de Monte Cristo (mas sem um tesouro no fim, nem desejos de vingança...). A analogia talvez se justifique... [Adelino Torres (Professor Catedrático Jubilado do ISEG - UTL]

Índice:

Prefácio

Capítulo I – As Mil Solidões

Capítulo II – Factos e Fantasmas

Capítulo III – Para Memória Futura

Capítulo IV – Acasos e Consequências

Capítulo V – Quantos Recomeços tem uma Vida

Anexos (documentos e fotos)

Intervenção de Francisca Van Dunem



O AUTOR

Adolfo Maria nasceu em Luanda em 1935. Cresceu observando a violência colonial sobre o povo angolano, o que o levou, desde jovem, a lutar contra o colonialismo português. A partir de 1957, foi um dos dirigentes do Cineclube de Luanda e da Sociedade Cultural de Angola onde era membro do corpo redactorial do Jornal “Cultura”. Na luta política foi membro do segundo PCA angolano e do MLNA, tendo sido preso pela PIDE portuguesa em 1959. Foi redactor do jornal diário luandense ABC, em 1961.
Partiu para o exílio em 1962 para se juntar às forças nacionalistas. Em Argel foi um dos fundadores do Centro de Estudos Angolanos, em 1964. Transferido em 1969, para a segunda Região político‐militar do MPLA, dirigiu a Rádio “Angola Combatente” e, temporariamente o Departamento de Informação e Propaganda. Em 1974 participou na criação de uma tendência do MPLA, chamada “Revolta Activa”, que reivindicava a democratização do Movimento. Cinco meses depois da proclamação da Independência de Angola, em 13 de Abril de 1976, a direcção do País decidiu prender vários membros dessa tendência, entretanto extinta. Adolfo Maria conseguiu esconder‐se e viveu cerca de três anos em clandestinidade. Após a amnistia presidencial, em Setembro de 1978, apresentou‐se e ficou em detenção. Em Janeiro de 1979 foi expulso para Portugal. Neste país, com Gentil Viana e Mário de Andrade fez parte de um Grupo de Reflexão que procurava vias para o fim da guerra civil em Angola e que fez vários contactos diplomáticos e políticos nesse sentido.
Depois dos acordos de Bicesse entre o MPLA e a UNITA, voltou livremente a Angola, em fins de 1991 e Maio de 1992, acompanhando Gentil Viana na apresentação do seu plano de convivência nacional a partidos e personalidades, tendo sido recebidos pelo presidente da República. Depois do recomeço da guerra civil renunciou a qualquer iniciativa de carácter político. Todavia forneceu testemunhos e análises publicados no livro “Angola no percurso de um nacionalista – conversas com Adolfo Maria”, também para a série documental “A Guerra” da RTP e para a recolha gravada em vídeo da Associação Tchyweka sobre a luta pela independência. Tem participado em alguns colóquios com comunicações sobre África e Angola, é colaborador permanente do jornal cultural “O Chá” da Associação Chá de Kaxinde, de Luanda e faz parte do painel de comentadores do programa radiofónico “Debate Africano” da RDP África.

Detalhes:

Ano: 2016
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 232
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-386-6
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
04/09/2017
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 1 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias do pessoal. A partir de 4 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

02/09/2017
FRANCO ATIRADOR – Textos de Cidadania de um Alentejano de Estremoz, da autoria de Hernâni Matos
LANÇAMENTO: Dia 2 de Setembro de 2017 (sábado), às 16h00, na Igreja dos Congregados, em Estremoz

24/08/2017
O BARRANQUENHO - Língua, Cultura e Tradição, da autoria de María Victoria Navas
LANÇAMENTO: Dia 24 de Agosto de 2017 (5.ª feira), às 21h00, no Museu Municipal de Arqueologia e Etnografia, em Barrancos

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99