Outrora Eu era Daqui




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Por razões sentimentais e políticas, Mariana sai de Portugal antes de 1974, mas as saudades fazem-na voltar em meados da década de 1990. Porém, contraria¬mente às suas espectativas nostálgicas, encontra um país que ela não recorda, os seus antigos amigos ficaram irreconhecíveis e até a linguagem do dia-a-dia mudou; e, para lá disso, os lugares por onde andou e as experiências que teve também a transformaram, e ela admite: “não sou nem voltarei a ser jamais a outra, a que partiu”. Todas essas alterações tornam-na numa foras¬teira na sua terra, e as diferenças fazem-na sentir-se tão apátrida que chega a perguntar-se “ao emigrar do país, terei emigrado de mim?” ¶¶ É desse choque cultural entre passado e presente, entre saudade e realidade que o romance fala. Além de tratar também do preconceito etário no relacionamento romântico entre géneros: ela, que penara por amor, numa ligação com um homem mais velho (aliança socialmente aceitável como normal) e daqui se exilara, sua única e legítima defesa para resistir à infelicidade, ao regressar, apaixona-se por um homem mais novo do que ela (união mal vista e considerada aberrante), e é ele que a ajuda a situar-se na verdade de quem é, e a vencer convencionalismos de que ela, que se pensava livre, vivida e sofisticada, julgava não sofrer. ********************************************************* "Sou Mariana e após viver em muitas latitudes, longitudes e vários continentes, de variados climas, culturas, línguas, moedas, gastronomias, costumes, crenças, tradições, pela razão daquela carência a que nós chamamos saudade e tanto nos dói, resolvi regressar às origens. Como se isso fosse possível! Afinal vim para um país desconhecido, completamente alterado e com uma mentalidade diferente da que eu aprendera, onde passei a ser vista como estrangeirada e a sentir-me forasteira, e pior, expatriada na minha pátria, por pensar de outro modo e ter visto, experimentado, acreditado e desejado coisas diversas. Só regressam mesmo os que nunca chegaram a partir, aqueles que, mesmo que aparentemente se tenham deslocado, afinal não abalaram, por terem permanecido atrelados ao local donde provieram, que carregam na bagagem juntamente com as suas tralhas: concluí que não há regressos, apenas novas chegadas."

Índice:

1 – Reencontros: quem te viu e quem te vê
2 – No rescaldo da memória
3 – Casas, casinhotas, casotas e quejandas
4 – Tudo muito bem espiolhado
5 – Desaparafusada e de novo lisboeta
6 – Mudança e renascimento
7 – Telefone, a presença das ausências
8 – Tango argentino calmoso, mas emoções com ventos instáveis
9 – Possuídos pelo supérfluo que possuímos, no país beijoqueiro
10 – Entrevista de emprego sem berbicachos, nem compadrios
ou cunhas
11 – The house-warming party com confidências e hipocrisias
na ementa
12 – O dia seguinte: linguados fritos em Cascais e correrias cruas no Guincho
13 – A cara da mãe no espelho
14 – O primeiro dia de trabalho a correr sobre rodas
15 – Palavras e sentimentos obsoletos e fados cada vez mais atuais
16 – É que ela não aguentava mais e só lhe apetecia desaparecer
17 – Funeral e sexo, ou a vitória da vida
18 – Por uma unha negra de ser atropelada e almoço a três por
um triz
19 – Visita de Lúcia, inesperada, e de Pedro, a despropósito
20 – Rosas amarelas para desfazer mal-entendidos incolores
21 – Passeio a Sintra, ou o sentido das coisas sem sentido
22 – Jantar no Gôndola, com despeito à sobremesa
23 – Viagem ao Algarve e acidente na 125
24 – Medos, mitos, memórias e decisões na praia noturna
Postfatio



A AUTORA:

Maria do Vale Cartaxo, nascida em Portimão, menina e moça partiu de casa de seus pais para estudar no liceu de Faro e na universidade de Lisboa, e logo sentiu o anseio de sair do lar pátrio e ir mais longe – não se contentando com pouco, deu a volta ao mundo e navegou pelos oceanos Atlântico, Índico, Pacífico e outros mares. Fazendo toda a rota marítima dos antepassados descobridores, contornou o continente africano pelo Cabo da Boa Esperança, com paragens no Senegal, África do Sul e Quénia, aportou em Bombaim, ancorou no Ceilão, arribou em Ma¬laca, navegou até Macau, viajou por Taiwan e desembarcou em Nagasaki, no Japão. ¶¶ Sobre duas rodas, cavalgando uma mota com o seu marido Christopher Gosden, um inglês também sedento de aventura, percorreu milhares de quilómetros desde Singapura, através da Malásia e da Tailândia, até ao Laos e Camboja. Posteriormente, viveram e viajaram por terra durante um ano e meio, numa pequena caravana “pão de forma” VW, por todo o continente americano, desde o Canadá ao Chile, cruzaram a Argentina e fixaram-se no Brasil. ¶¶ Para lá de todos os lugares que conheceu em quatro continentes, dos Alpes aos Andes, dos glaciares canadianos ao deserto de Atacama e à floresta amazónica, a autora morou em Salzburg, Colombo, Bangkok, Hong Kong, Tóquio, Por¬to Alegre e Rio de Janeiro, onde trabalhou em missões diplomáticas, empresas multinacionais, escolas e como tradutora free-lance. ¶¶ Depois de regressar à sua terra, passou a residir perto de Alvor, com vista para o mar que tanto ama. ¶¶ Foi a primeira agraciada com o Prémio Manuel Teixeira Gomes, instituído pela Câmara de Portimão, em 1999, com o conto A viagem e depois disso foi também premiada em 2002 com a novela O legado de Mrs. Baker e, em 2006, com o conto O sétimo dia. Publicou ainda os romances Três diários de bordo em rota de naufrágio, em 2003, e O dia não, em 2008.

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 258
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-646-1
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
05/06/2017
CONCELHO DE TONDELA – HERÁLDICA, HISTÓRIA E PATRIMÓNIO, de Luís Ferros, Manuel Ferros e Rui do Amaral Leitão
BREVEMENTE DISPONÍVEL

31/05/2017
ECLÉTICA II - em formação (Regulamento)
INFORMAÇÃO DETALHADA: clique em "links" *ECLÉTICA II, nesta página

26/05/2017
PATRIMÓNIO E TURISMO, de José Manuel Figueiredo Santos
LANÇAMENTO: dia 26 de Maio de 2017 (6.ª feira) às 18h00, em Portimão. Apresentação: Prof.ª Doutora Alexandra Rodrigues

25/05/2017
FOLHAS SOLTAS DE UMA VIDA, da autoria de Laura Lopes
LANÇAMENTO: dia 25 de maio (5.ª feira) de 2016, às 18h00, na Associação 25 de Abril, em Lisboa. Apresentação: Rui Namorado Rosa

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99