O Poder da Moeda

Os Segredos do Euro




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

(...) Estranhamente, se faz crer, se estabeleceu e se ensina que os Bancos guardam o dinheiro do povo. E que para além disso, realizam uma função de intermediação financeira, recolhendo a poupança de uns emprestando-a a outros e nisto se resume a função dos Bancos. Claro que é nos Bancos que nós depositamos o dinheiro (capital trabalho), mas como dizia Kant: “a nossa observação é a da aparência das coisas”. Na verdade, nem os Bancos guardam o dinheiro do povo, como deviam, sendo resgatados pelo dinheiro do povo, nem a função principal dos Bancos é a função de intermediação. A principal função dos bancos é na verdade a de criar Moeda, “fabricar” Moeda emitir Moeda (...).

Índice:

PREFÁCIO

PREFÁCIO DO AUTOR


1.ª PARTE – AS REPRESENTAÇÕES DA MOEDA

I. INTRODUÇÃO

II. CONCEITOS DE MOEDA. EVOLUÇÃO DA MOEDA
2.1. Conceitos de Moeda
2.2. Evolução da Moeda
A) Moeda Especulativa – O Papel Moeda
B) A Invenção da Moeda Escritural
C) O Padrão-Ouro
D) Os Acordos de Bretton Woods
E) O Desmoronamento do Sistema de Bretton Woods
F) A Moeda no séc. XXI
G) Regimes Cambiais
H) O Plano de Chicago

III. A OFERTA DE MOEDA PRIMÁRIA. NOTAS E MOEDAS
3.1. A Oferta de Moeda Primária
3.2. A Circulação Monetária na Zona Euro
A) A Emissão Líquida de Moedas na Zona Euro
B) A Emissão Líquida de Notas na Zona Euro
3.3. A Emissão Líquida de Moeda Primária em Portugal

IV. A MASSA MONETÁRIA NA ZONA EURO
A) A Expansão Monetária na Zona Euro
B) O Mito da intermediação bancária e do Multiplicador
dos Depósitos

V. A MOEDA ESCRITURAL
A) Moeda Escritural – Segredo e Mistério
B) Moeda Escritural – O Método das Partidas Dobradas

5.1. Moeda Escritural/Depósitos Bancários
A) A Origem dos Depósitos Bancários
B) O Depósito de Valores
C) O Depósito por Crédito Bancário

5.2. A Moeda Escritural – O Crédito Bancário
A) A Contabilização do Crédito Bancário
B) Empréstimos entre Agentes não Monetários
C) Crédito a Clientes entre Agentes não Monetários

5.3. Emissão de Moeda Escritural pelos Bancos
A) Balanços de Moeda dos Bancos
B) Balanços de Moeda do Sector não Monetários
C) Balanços de Moeda do Banco Central

5.4. Moeda Escritural – Moeda Especulativa
A) Emissão Monetária – Contrato Oculto
B) Moeda Escritural – Parte e Contraparte
C) Moeda Escritural – Moeda Contingente
D) Moeda Escritural – Derivativo de Crédito
E) Destruição de Moeda Escritural – Destruição de Valor

VI. OS BANCOS CENTRAIS
A) A Política Monetária
B) As Reservas dos Bancos Centrais
C) A Intervenção dos Bancos Centrais
D) A Expansão dos Balanços dos Bancos Centrais
E) O “Quantitative Easing”
F) O “QE” – Balanços das IFNM
G) O “QE” – Balanços de Moeda do Banco Central
H) Criação de Moeda Via “QE” – Balanços de Moeda
dos Bancos

VII. CRISES ECONÓMICAS E FINANCEIRAS
1. A Improdutividade do Capital Moeda
2. As bolhas Especulativas
3. As Crises Bancárias
4. Dívidas Incomensuráveis

VIII. A MOEDA VIRTUAL

IX. A REFORMA DO SISTEMA MONETÁRIO
A) O Sistema de Moeda Público
Balanços de Moeda num Sistema de Moeda Público
B) Emissão Monetária através do Sistema Bancário
Balanços de Moeda – Emissão Monetária através do Sistema Bancário
C) Emissão Monetária através de Despesa Pública
Balanços de Moeda – Emissão Monetária através
da Despesa Pública

X. CONCLUSÕES


2.ª PARTE: OS EPIFENÓMENOS DO CAPITAL MOEDA

I. INTRODUÇÃO

II. BOLHAS FATAIS (FOREIGN POLICY, N.º 25, FEVEREIRO E MARÇO 2012)
2.1. A Bolha de Crédito
2.2. A Bolha de Derivados de Crédito
2.3. A Bolha Imobiliária
2.4. A Bolha das Parcerias Público-Privadas
2.5. A Bolha de Dívida Soberana
2.6. O Pacto do Euro
2.7. O Resgate dos Bancos

III. O RESGATE DA REPÚBLICA
3.1. Portugal sob Ocupação da U.E. (Rádio Renascença, 2/12/2011)
3.2. O Efeito Borboleta (Diário Económico, 6/12/2011)
3.3. Especulação e Ruína (Diário Económico, 6/2/12)
3.4. O IMI e o Bom Senso (Diário Económico, 2/4/2012)
3.5. O IMI e a Justiça Social (Mover a Montanha 5/8/2016)
3.6. Fisco e Confisco (Diário Económico 16/7/2012)
3.7. O Regresso aos Mercados (Diário Económico, 15/10/2012)
3.8. A Torre de Marfim (Diário Económico, 3/12/13)
3.9. As Colunas do Templo (Diário Económico 4/3/12)
3.10. O Fétiche dos Mercados (Diário Económico, 13/4/2013)
3.11. Pacto Fatal (Diário Económico, 28/5/13)
3.12. O Papa Francisco e o Neoliberalismo (Diário Económico, 31/6/2013)
3.13. A Demolição do Estado Social (Diário Económico, 16/9/2013)
3.14. A Contra Reforma do Estado (Diário Económico, 4/11/2013)
3.15. A Solução Final (Diário Económico, 6/1/2014)

IV. O COLAPSO DO SISTEMA BANCÁRIO
4.1. O Resgate dos Bancos (Diário Económico, 24/2/2014)
4.2. A Captura do Estado (Diário Económico, 14/4/2014)
4.3. O Caos e a Ordem (Diário Económico, 2/6/2014)
4.4. O BES e o BPN (Sinopse de entrevista à SIC Notícias, 17/7/2014)
4.5. A Resolução do BES (TVI24, 3/8/2014)
4.6. O BANIF e a CGD (Entrevista à RTP2/Mover a Montanha, (28/8/2016)
4.7. Esta é a Ditosa Pátria Minha Amada (Mover a Montanha, 23/9/2016)
4.8. O Modelo do Senhor Governador (Mover a Montanha, 5/10/2016)
4.9. Deutsh Bank e Mega Crise Sistémica (Agência Lusa, 13/10/2016)
4.10. Sistema Financeiro e Especulação Total (Agência Lusa, 13/10/2016)
4.11. A Venda do Novo Banco (RTP-Antena 1, 5/4/2017)

V. CONCLUSÕES

BIBLIOGRAFIA




AUTOR:

Doutor Europeu em Ciências Económicas e Empresariais, Agregado e Mestre em Gestão, Licenciado em Finanças. Coordena no IDEFE/ISEG, a pós-graduação em Gestão de Bancos e Seguradoras e a pós-graduação em Management & Business Consulting. É Juiz-Árbitro no Tribunal Arbitral Tributário. ¶¶ Coordenou a Licenciatura em Gestão, o Mestrado em Marketing, o MBA-Mestrado em Gestão no ISEG e o programa de imersão em Silicon Valley-com a Universidade de S. Francisco – USA. Foi Professor Visitante da Universidade Federal de Minas Gerais e da Universidade Federal de Lavras no Brasil. Coordenou também o programa de doutoramento em Gestão na Universidade Lusíada de Lisboa. ¶¶ Publicou sete livros, sobre Gestão Bancária, dois dos quais para o Banking Institute da República Checa. Publicou artigos científicos, em revistas nacionais e internacionais, como, Management & Economics Journal, International Education & Research Journal, Electronic Journal of Knowledge & Management, International Journal of Knowledge and Learning, Portuguese Journal of Management, Episteme. Coordenou trabalhos de investigação aplicada para o Tribunal de Contas, o Ministério das Finanças e o Ministério da Ciência e Ensino Superior. ¶¶ Foi Presidente da Fundação das Tecnologias da Informação, Conselheiro do Conselho Superior de Ciência e Tecnologia, Diretor da Sociedade Financeira Portuguesa, Assessor da Caixa Geral de Depósitos, Vice-Presidente do Gaptec/UTL, Vice Presidente da Faculdade de Arquitetura/UTL e Gerente Executivo do IDEFE/ISEG.

Detalhes:

Ano: 2017
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 140
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-657-7
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
28/11/2017
E ANICETO VEM À LUZ, da autoria de Joseia Matos Mira
LANÇAMENTO: Dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), às 18h00, na Biblioteca Palácio Galveias, em Lisboa. Apresentação: Fernando Couto e Santos

28/11/2017
CONVERSAS SOBRE HISTÓRIA DA MÚSICA, da autoria de Jorge Costa Pinto
LANÇAMENTO: dia 28 de Novembro de 2017 (3.ª feira), entre as 11h30 e as 12h30, na Salão Nobre Academia Sénior, na Parede

27/11/2017
ROMEU CORREIA, com coordenação de Edite Simões Condeixa
LANÇAMENTO: Dia 27 de Novembro de 2017 (2.ª feira), às 18h00, no Fórum Municipal Romeu Correia, em Almada. Apresentação: Vitor Fernandes – poeta e romancista

25/11/2017
ANTÓNIO MARIA LISBOA – Eterno Amoroso, da autoria de Joana Lima
LANÇAMENTO: dia 25 de Novembro de 2017 (sábado), às 17h00, na Livraria Letra Livre, Galeria Zé dos Bois, em Lisboa

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99