A Rapariga da Trave Sobe ao Céu




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Marta David
Temas: Poesia

Sinopse:

São muitos os caminhos dos poetas e a relação que desenvolvem com a matéria poética e a oficina das ideias, das emoções e das palavras ¶ Chama-se ou chamava-se lírica à poesia porque, em tempos idos, a poesia era cantada ao som da flauta ou da lira. A poesia lírica obedecia obrigatoriamente a certos modelos rítmicos cantáveis. ¶ Este era o modelo da poesia clássica que começou a ser discretamente inovada a partir do romantismo e, com o modernismo, viu introduzirem-se novos modelos poéticos como o verso branco ou a prosa poética. No entanto, quando a mão do poeta tem uma voz larga e intensa, mesmo que crescendo em verso branco, a poesia desenvolve-se de dentro de uma música das palavras que se torna ainda mais óbvia quando parte de uma poetisa que é simultaneamente uma mulher da música. ¶ Nem sempre é fácil deslindar o caminho de música e luz da poesia de Marta David. ¶ Esta sua música é quente nasce e cresce líquida de dentro do corpo, avança pelo ar a partir de uma sensibilidade quente e claramente afirmada. ¶ Podia ser só isto e não seria pouco. Mas esta poesia é um cruzamento onde a pele encontra a sua respiração poética e se cruza com uma espiritualidade que caminha através de um misticismo de diversas ruas onde a água e o vento servem de chão à inquietação da palavra. ¶ Quando falamos do trabalho poético de Marta David falamos de uma poesia complexa, que experimenta as múltiplas vias da inquietação e nos pergunta para onde vamos a cada passo que damos. ¶ A poesia de Marta David fala-nos de anjos, de fracturas de esperança e rosas, de seres que sobem ao céu e têm as mãos ainda mergulhadas na maravilha da fala, da verdade intocável da pedra, nos novelos que nascem da boca dos deuses e se enrolam sobre a humanidade até ao final de todos os tempos. [José Fanha, Novembro de 2016]

Índice:

A rapariga da trave sobe ao céu

A rapariga da trave desce à terra

A bandeira da rapariga é a do céu

O céu da rapariga desce à terra



A AUTORA:

Marta David nasceu em Coimbra. Concluiu a Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas – variante de Português-Inglês, na Faculdade de Letras de Lisboa, e mais tarde o Curso de Formação Musical do Conservatório. Tem-se dedicado ao Ensino, dando aulas de Educação Musical. Publicou contos e poemas em revistas e jornais, e os livros de poesia "Rainha da Aura Digital", "Ponte de Lágrimas" e "Quando um Beijo for uma Loja sem Comércio".

Detalhes:

Ano: 2016
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 112
Formato: 21x15
ISBN: 978-989-689-616-4
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
01/09/2018
COMENDA COM GENTE – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana; da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: dia 01 de Setembro (sáb.), às 15h00, no Salão Paroquial e Comunitário da Comenda. Apresentação: Dr. Silvestre Lacerda (Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo)

13/07/2018
A DIMENSÃO TEATRAL DO AUTO DA FÉ, da autoria de Bruno Schiappa
LANÇAMENTO: dia 13 de Julho de 2018 (6.ª feira), às 18h00, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Apresentação: Prof.ª Doutora Isabel Drumond Braga e Prof.ª Doutora Maria João Almeida

30/06/2018
ECLÉTICA – IV, Coordenação literária de Ângelo Rodrigues e Célia Cadete
LANÇAMENTO: dia 30 de junho (sáb.) de 2018 às 16h30, na Sociedade Nacional de Belas Artes – SNBA; em Lisboa

27/06/2018
COMENDA COM GENTE. Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana, da autoria de Jorge Branco
LANÇAMENTO: dia 27 de Junho (4.ª feira), às 18h00 (após Plenário), Assembleia da República, em Lisboa. Apresentação: Deputado José Luís Ferreira

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99