A Dimensão Teatral do Auto da Fé




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Bruno Schiappa

Sinopse:

Tendo como âmbito a relação entre o teatro e a sociedade, partindo da ideia de que o Auto da Fé, a cerimónia da Inquisição na qual, publicamente e com grande aparato, eram anunciados os condenados por heresia e as respetivas penas, possuía uma dimensão teatral, surge este livro. A igreja e o teatro estiveram sempre, de uma forma ou de outra, relacionados e, essa condição levava-me a pensar que as manifestações do poder religioso utilizavam procedimentos teatrais na sua elaboração e que haveria a consciência da eficácia do teatro enquanto instrumento de instauração da ordem e correção de comportamentos desajustados. No caso do Auto da Fé havia a particularidade de, em simultâneo, este operar enquanto instaurador de terror e enquanto festa. O público aderia a esta dupla função, exteriorizando as emoções, acompanhando vocalmente os cânticos e as orações e incitando os condenados não confessos a confessarem o seu crime. ******************************************************* Sou e sempre fui esse tipo de homem que encontra na atividade do “fingimento” a melhor forma de se esconder e de se revelar. Desde a idade de seis anos que soube que queria ser ator – sem saber exatamente o que significava isso nem qual a importância que teria no seio da sociedade. “Sentia” apenas que não me cansava (e esperava nunca vir a cansar-me) de “fingir”. Estava longe de saber que esse fingimento era a minha tradução do conceito mais geral de representação. (…) Havia e há, pois, uma relação direta entre teatro e sociedade. Mas essa relação não se resumia a uma função de entretenimento ou a ser uma das formas de expressão artística do ser humano. Havia e há uma utilidade estética, no teatro, que lhe permite conformar uma ideologia ou um conjunto de normas de conduta. Deste modo, o teatro poderia funcionar como instrumento pedagógico e propagandístico.

Índice:

AGRADECIMENTOS

NOTA

Abreviaturas, Siglas e Termos em Latim nas Referências Bibliográficas


PREFÁCIO

INTRODUÇÃO
00.1 – Descobrindo a relação entre o Teatro e a Sociedade
00.2 – Objetivos e Metodologia deste Estudo

1 – A INQUISIÇÃO e a SUA CERIMÓNIA MOR
1.1 – O Auto da Fé: Uma Representação da Fé
1.1.1 – O Que Era, Como Era, Quem o Promovia e o Que Visava o Auto da Fé
1.1.2 – Auto da Fé: Estrutura
1.2 – Diferenças Entre o Auto da Fé e o Auto Sacramental ou os Mistérios
1.3 – Auto da Fé em Portugal
1.4 – A Presença do Teatro no Auto da Fé: Ponto da Situação e Contributos

2 – AUTO da FÉ, RITUAL e TEATRALIDADE
2.1 – O Conceito de Teatralidade: Estado da Questão
2.1.1 – Performance e Teatralidade
2.1.2 – Efeito de Teatro e Teatralidade
2.2 – Teatralidade no Auto da Fé

3 – AUTO da FÉ e TRAGÉDIA ANTIGA
3.1 – A Noção de Purgatório e a Função de Purgação
3.2 – Violência, Pathos e Purgação
3.3 – A Prática da Pena de Queima e dos Métodos de Tortura Enquanto Representação Mimética

4 – SOCIEDADE do ESPETÁCULO: CONCEITO e CARATERÍSTICAS ... 115
4.1 – Aspetos de Uma Sociedade do Espetáculo na Sociedade Portuguesa do Antigo Regime

5 – A TEATRALIZAÇÃO do PODER
5.1 – Encenação da Cerimónia
5.2 – Comunicação Bidirecional do Auto da Fé: Relação entre Povo e Poder e Legitimação do Auto da Fé pela Participação Popular

CONCLUÍNDO

APÊNDICE

ANEXOS

FONTES E BIBLIOGRAFIA




AUTOR:

BRUNO SCHIAPPA – Doutorado em Estudos Artísticos pela Universidade de Lisboa, na especialidade de Estudos de Teatro, é Ator, Encenador, Dramaturgo e Investigador Integrado do Centro de Estudos de Teatro da Universidade de Lisboa. Além de reunir já mais de 50 textos de teatro, assina aqui o seu segundo livro sobre as questões da teatralidade e da relação do teatro com a sociedade e o poder. Encontra-se a desenvolver uma investigação em regime de Pós Doutoramento pela FCT no CET, sobre as manifestações da sexualidade na performance teatral. Tem trabalhado em palco, cinema e televisão e formado vários atores portugueses; dirigiu um workshop sobre O Método em Montréal e o seu espetáculo de teatro Memórias de Um Psicopata foi apresentado em Paris no Kyron Éspace. Durante oito anos (2000/2008) foi membro da companhia de teatro canadiana Pigeons International. Foi protagonista da longa metragem de Orlando Fortunato Batepá e prémio de ator pelo trabalho em Frozen e (I)Mortal e de melhor coreografia das Marchas de Lisboa 2011, pela EGEAC. Tem apresentado comunicações em várias conferências internacionais e é autor de vários artigos integrados em livros e em sites especializados. Concebeu um mestrado e uma pós-graduação em Artes Performativas e Tecnologias Digitais. Os seus projetos teatrais, bem como as suas investigações, debruçam-se sobre o papel do teatro e do espectador na instauração ou disrupção das normas convencionais de conduta.

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 260
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-782-6
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
01/09/2018
COMENDA COM GENTE – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana, da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: dia 01 de Setembro (sáb.), às 15h00, no Salão Paroquial e Comunitário da Comenda. Apresentação: Dr. Silvestre Lacerda (Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo)

31/08/2018
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 2 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias. A partir de 3 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

26/07/2018
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO ARQUIPÉLAGO DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (1470-1975), da autoria de Lúcio Neto Amado
LANÇAMENTO: dia 26 de Julho (5.ª feira), às 18h00, no Tabernáculo do Hernâni, em Lisboa. Apresentação: Dr. Abílio Neto

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99