Nova Síntese, n.º 11 (2016)

“Mário Dionísio: como uma pedra no silêncio” – comunicações do Congresso Internacional, 2016)




Recomendar livro a um amigo
Directores: Vítor Viçoso

Sinopse:

Tendo como objectivo principal promover um debate tão alargado quanto possível em torno das diversas manifestações e vertentes da actividade de Mário Dionísio, o Congresso Internacional Mário Dionísio – No Centenário do Seu Nascimento constituiu uma excelente oportunidade para trazer um novo impulso à reflexão sobre a vida e obra desta figura ímpar no panorama cultural português. ¶¶ Os textos que integram este volume centram-se assim no estudo da sua intervenção enquanto poeta e ficcionista, pintor, crítico literário e crítico de arte, professor e pedagogo, cidadão. Muito dificilmente se conseguiria arrumá-los em blocos tão distintos, tratando-se de um autor que confessa na sua Autobiografia ser «um homem dividido, apesar duma unidade subjacente, inalterada, inalterável […] incapaz de optar entre tantas solicitações (e emboscadas…) iguais na exigência». Um homem que proclama: «Se escrevo poesia […] é só poesia que “escrevivo”». Como havia de ser de outra maneira? Idem com a ficção. Idem com a pintura. ¶¶¶ (…) ********************************************************* (…) Eduardo Lourenço, em “Evocação truncada de Mário Dionísio”, centra a sua reflexão no Neo-Realismo enquanto voz colectiva, ironicamente constatando que «nisto, ao menos […] cumpriu o seu programa de subsumir simbolicamente “o individual” sob o “comum”» para, depois de analisar o contributo individual de vários autores como Namora, ou Manuel da Fonseca, convocar Mário Dionísio. Embora o considere «o mais decidido apologeta e exegeta da “atitude” neo-realista (na ordem geral e na estética)», distingue-o da «geral família poética neo-realista», pela sua «vontade de anonimato», por uma espécie de «ironia triste», por uma poesia onde não se encontra a habitual «imagística ou mitológica intenção», mas onde vislumbra «uma veemência contida como apagada à força, esfriada e às vezes fria, rescaldo de um fogo ou de um discurso (…).¶¶ [PAULA MENDES COELHO, apresentação]

Índice:

Nota da direcção da revista

Historial do Congresso
A. Mota Redol

Apresentação
Paula Mendes Coelho

I. Como os outros
Passageiro clandestino (Mário Dionísio, uma primeira aproximação) Cinco incomodidades, melhor dizendo caprichos, na vida e obra de Mário Dionísio
Eduarda Dionísio

Da pintura à escrita: um passeio pela crítica de arte de Mário Dionísio
Daniel-Henri Pageaux

Coordenadas do espaço íntimo em Mário Dionísio
Catherine Dumas

Um pintor de palavras
Nuno Júdice

Memória desconexa (Mário Dionísio, uma segunda aproximação) Mário Dionísio segundo Mário Dionísio (Atropelamento e Fuga)
Eunice Ribeiro

“Aniversário” de Mário Dionísio: auto-retrato poético aos quarenta e quatro anos
Teresa Jorge Ferreira

Ou se mudava o Homem ou não se mudava nada (Mário Dionísio, político)
Mário Dionísio, a ronca e o farol
João Madeira

Mário Dionísio: algumas questões urgentes (1952-1993)
Youri Paiva

O quê? Professor?!... (Mário Dionísio, professor e pedagogo)
Mário Dionísio professor
Luis Miguel Cintra

Mário Dionísio: como se forma um professor
Rui Canário

Mário Dionísio: ser professor ou a educação do sentimento poético
António Carlos Cortez

Mário Dionísio e a arte de inventar a mudança
Manuel Gusmão


II. A palavra que falta
Escrever era o meu vício (Mário Dionísio, escritor)
Compromisso e experimentação em Não Há Morte Nem Princípio de Mário Dionísio
José Manuel de Vasconcelos

Não Há Morte Nem Princípio – variações para um tempo de transição
Maria Eduarda Keating

Foi o puro prazer de contar que levou a melhor (Mário Dionísio, contista)
Dialogar com o leitor – O Dia Cinzento de Mário Dionísio
Serge Abramovici

A (est)ética dos parafusos e das ondas do mar nos contos de Mário Dionísio
Bertran Romero Sala

Pensar: Inquietação e Ética A partir de alguns contos de Mário Dionísio
Carolina Lima Vaz

A poesia não está nas olheiras imorais de Ofélia… (Mário Dionísio, poeta)
Cenas de escrita na poesia de Mário Dionísio
Silvana Maria Pessôa de Oliveira

Com todos os homens nas estradas do mundo
Maria do Carmo Cardoso Mendes

Le Feu Qui Dort, um texto em chamas ou “Que farei quando tudo arde”…
Sandra Teixeira

A poesia de Mário Dionísio – uma leitura
Gastão Cruz

A “deformação” na “invenção do concreto” como chave do Realismo no pensamento de Mário Dionísio
António Pedro Pita


III. A necessidade de ver claro
A Paleta e o Mundo (Mário Dionísio, teórico de arte)
As minhas experiências de leitura d’A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio: Colectiva (Casa da Achada) e individual. Algumas figuras de palavras, de pensamento e imagens nela presentes
Ana Figueiredo

O divórcio entre a arte e o público – Uma maratona de desocultação em A Paleta e o Mundo
David Santos

Falar sobre A Paleta e o Mundo de Mário Dionísio
Inês Dourado

Um pensamento ardente: estética e política em Conflito e Unidade da Arte Contemporânea de Mário Dionísio
Pedro Boléo Rodrigues

Mário Dionísio: poética pictórica, teoria da arte
Sílvia Chicó

O Homem não pode copiar, o Homem cria (Mário Dionísio, teorizador do Neo-Realismo)
Mário Dionísio: a teorização estética e o Neo-Realismo
Vítor Viçoso

As “Fichas” de Mário Dionísio na Seara Nova. Contributos para a precisão do projecto neo-realista
Manuel José Matos Nunes

«Não se pode copiar» mesmo com um simples «dar ao botão da Kodak»: Mário Dionísio e a fotografia
Renato Roque


IV. Nós e os outros
Encontros desencontros reencontros (Mário Dionísio e outros escritores)
Os prefácios de Mário Dionísio: uma outra maneira de manter a conversa
Maria João Brilhante

A Morte É Para os Outros de Mário Dionísio e o universo de Maria Judite de Carvalho
José Manuel da Costa Esteves

Mário Dionísio, o homem que inventou José Gomes Ferreira
Carina Infante do Carmo

A resistência da mudança e a mudança da resistência: de Mário Dionísio a António Lobo Antunes
Norberto do Vale Cardoso

“Entre nós e as raízes”: Mário Dionísio e as solicitações lorquianas
Cláudio Castro Filho

Não como um cacto isolado (Mário Dionísio pintor e os outros pintores)
“Encontros em Paris”. Encontros com o Mundo. Encontros com a Paleta de um Novo Realismo – Caminhos em Mário Dionísio
Luísa Duarte Santos

“Encontros em Paris”: as entrevistas de Mário Dionísio e de Fernando Lopes-Graça a artistas franceses (e não só) no contexto dos debates estéticos do neo-realismo no período do pós-guerra (1947-1951)
Manuel Deniz Silva

Pertenço a outro mundo, a outra raça, a outra gente (Mário Dionísio e o Brasil)
Diálogos luso-brasileiros por Mário Dionísio
Ida Ferreira Alves

Mário Dionísio e a literatura brasileira de 30
João Marques Lopes


V. Painel de encerramento
Evocação truncada de Mário Dionísio
Eduardo Lourenço

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Revista
N. páginas: 518
Formato: 23,5x16,5
ISSN: 1646-5989
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
01/09/2018
COMENDA COM GENTE – Fotobiografia de uma Aldeia Alentejana, da autoria de Jorge Branco
APRESENTAÇÃO: dia 01 de Setembro (sáb.), às 15h00, no Salão Paroquial e Comunitário da Comenda. Apresentação: Dr. Silvestre Lacerda (Director do Arquivo Nacional da Torre do Tombo)

31/08/2018
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Entre 31 de Julho e 2 de Setembro não podemos satisfazer quaisquer encomendas, por motivo de Férias. A partir de 3 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

26/07/2018
HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO ARQUIPÉLAGO DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (1470-1975), da autoria de Lúcio Neto Amado
LANÇAMENTO: dia 26 de Julho (5.ª feira), às 18h00, no Tabernáculo do Hernâni, em Lisboa. Apresentação: Dr. Abílio Neto

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99