O Papel do Cidadão em Tempos de (Des)Encantos




Recomendar livro a um amigo
Coordenação: Inocência Mata
Colaboração com a entidade: Universidade Lusíada de São Tomé e Príncipe

Sinopse:

Em Julho de 2017 um grupo ecléctico de cidadãos são-tomenses, de muitas diferenças ideológicas e perspectivas para o país, unidos, porém, pelo desejo de pensarem o país e promoverem estratégias, decidiram realizar um encontro para fazerem frente a bloqueios decorrentes da sociabilidade, representações e dinâmicas sociopolíticas dos diferentes segmentos sociais em coexistência, mas nem sempre em convivência, não obstante a pequenez territorial do país. O pretenderam foi questionar ideologia de confronto que se sobrepõe à crença e à prática de que toda a discussão política é partidária. Por isso, propuseram, para começar, um tema não “marcado”, sem qualquer contaminação visível de qualquer assunto “nacional” para que as pessoas não se sentissem inibidas (embora entendessem que este assunto mereceria outro debate): O Papel do Cidadão em Tempos de Distopia foi o título que os uniu numa longa discussão, num debate muito frutífero em que demonstraram que, afinal, talvez haja mais a unir do que a separar... ¶ [Inocência Mata] ********************************************************* Ao mal estar, desesperança e desencanto resultantes do falhanço das promessas de garantia duma sociedade mais justa, livre da pobreza e da opressão, sobrevém o profundo desejo de uma vida melhor, projetada algures, no futuro, como um escape ao presente doloroso. E o ideal de superação desse estado das coisas tem, como corolário natural, a necessidade de comunicar, partilhar, discutir os caminhos para a superação da situação. Como o fazer sem confrontar ideias, persuadir e convencer os outros sobre a justeza da causa? ¶ (…) ¶ [Fernanda Pontífice]

Índice:

Prefácio

O regresso ao passado
Adelino Cardoso Cassandra

Saber ser (muito) pequeno
Alcídio Montóia Pereira

Uma maioria silenciosa
Arzemiro dos Prazeres

As juventudes e o beco… com saída – (da carta às juventudes à carta das juventudes)
Filinto Costa Alegre

Conselho das Comunidades Emigrantes de São Tomé e Príncipe (CCESTP): uma proposta do FDSTP
João Viegas d’Abreu

A atividade político-partidária: causas organizacionais e a comunicação como fatores impeditivos ou mobilizadores da participação dos cidadãos
José Cardoso Cassandra

São Tomé e Príncipe enquanto pequeno estado insular (PEI)
Osvaldo Abreu (ULSTP)

Ser Santomense – projeto de investigação
Luisélio Salvaterra Pinto

Encontros de Gravana: um espaço de aprendizagem do contraditório
Inocência Mata

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 114
Formato: 21x15
ISBN: 978-989-689-790-1
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99