Os Joelhos do Meu Pai

e Outros Contos




Recomendar livro a um amigo
Temas: Contos

Sinopse:

Quando descobri que contar histórias era falsear factos, confundir situações, evocar memórias falsas, percebi que apenas o que se escreve despojado de pose é genuíno: nunca me interessei por livros extensos, mas por livros bem escritos. No entanto, só recentemente entendi que livros bem escritos são insuficientes e que livros genuínos são bem melhores. Percebi igualmente que a diferença entre boa literatura e literatura genuína é esta: o que é genuíno engloba não só a qualidade, a realidade, a veracidade e a ficção, como, e principalmente, aquilo que, assumidamente falso, entendemos como outra verdade. O que é genuíno prescinde do realismo e da veracidade dos factos: o que é genuíno transcende tudo isso, e torna verdade aquilo que é ficção e mistificação, torna verdade aquilo em que se acredita. E ser-se genuíno, na escrita, é esta fé no que se escreve. Esta fé inexplicável numa verdade que se ama muito mais do que se prova. ¶ Um dos meus contos, aquele que dá título a esta antologia, tem tanto de verdadeiro como de falso, de realidade e possibilidade especulativa. Mas a prova de que é um texto genuíno foi ter-me comovido com ele, no momento em que o escrevi e, mais tarde, o reli. E, ainda melhor, quando o dei a ler às minhas três filhas, em datas diferentes, e cada uma delas não ter resistido a soltar o açude de lágrimas reprimidas pela tensão da escrita. Essa prova de fogo foi, para mim, o melhor julgamento crítico que alguma vez pudesse ser feito sobre a minha obra. E foi assim que intuí que poderia exprimir de uma forma peculiar a minha humanidade. ¶¶ [in nota introdutória do autor] ¶¶¶¶¶ Durante a noite, dormi um sono profundo até ao momento em que percebi que alguém estava acordado e que havia, entre sonho e realidade, entrado no meu cérebro um ruído áspero, o ruído de uma campainha. Depois, não sei ao certo se foi assim, ouvi o murmúrio doce de vozes, gente que se entende, coisas que se dizem como pequenas confissões sobre a nossa pequenez no mundo. E então chegou até mim um grito lancinante, o grito de minha mãe vindo da rua, atravessando o corredor e entrando no meu sonho de onde eu despertei para passar pela experiência mais terrível de toda a minha vida. Mario Garcia morrera nessa madrugada de domingo. ¶ Lee vestiu-se e hesitando entre abrir a porta do quarto e sair, perguntou-me se eu estava bem. Parecia-me estar num sonho. Só consegui acenar que sim e refugiei-me na única energia possível: a vergonha da minha cobardia. Não fui capaz de sair tão cedo daquele quarto. Por uma fracção de segundos, achei que a sua morte era perfeitamente merecida, mas logo recuperei da minha imundície e o canalha de mim se lembrou do que mais amara neste mundo, para além da minha mãe: o meu alegre e envelhecido pai. Queria chorar – parecia-me a única acção possível –, mas tinha as lágrimas queimadas, como se estivesse embrutecido. Senti pavor de me manter silencioso e sossegado, encolhi-me e experimentei então ali toda a indecência que me era permitida, apelando novamente à minha infância protegida.

Índice:

Nota introdutória ou “a minha versão das coisas”
Um outono
Traduções
Mariana
Os joelhos do meu pai
A casa, Carolina e eu
O heliassalto
Nós não chorámos nem matámos o cão-tinhoso
Matéria de salvação
Um peso sobre a alma
Três tabletes de chocolate branco
O braço alado de Mónica
A porta
As cartas
O telefone
A sangue frio
O retrato de Rosa
O meu avô
A faca
Nós
O cinzeiro
Um remate




O AUTOR:

ANTÓNIO JACINTO PASCOAL (n. 1967, Coimbra) é Mestre em Literaturas e Culturas Africanas de Língua Portuguesa, especializando-se nas obras poéticas de Nicolás Guillén e José Craveirinha. Estreou-se em 1991, com Pátria ou Amor (Prémio da Associação Académica de Coimbra, com prefácio de Agustina Bessa-Luís). Ensaísta, poeta e contista, surge editado em variadíssimas antologias poéticas, é prefaciador de antologias e autores diversos, e traduziu a obra poética da chilena Violeta Parra. Publicou Os Dias Reunidos (1998), A Contratempo (2000), Terceiro Livro (2003), No Meio do Mundo (2005), As Palavras da Tribo (2005), Cello Concerto (2006), Pátria ou Amor (2011) e As Sete Últimas Palavras (2017), Mover-se o Fogo (2018). Poemas seus estão traduzidos em Inglês e Finlandês. Em 2018, editou o álbum fotográfico Banda Euterpe de Portalegre – A Visão do Som. O conto Os Joelhos do meu Pai foi primeiramente editado na antologia Contos da Língua Toda (Alma Azul, 2018). Actualmente, vive em Arronches.

Detalhes:

Ano: 2018
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 204
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-796-3
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
06/11/2019
Kosovo – A Incoerência de uma Independência Inédita, da autoria de Raul Cunha
LANÇAMENTO: dia 6 de Novembro (4.ª feira), às 18h00, no Instituto Universitário Militar, em Lisboa. Apresentação: jornalista Luísa Meireles (directora da Agência Lusa)

02/11/2019
Dona Esther e os Coronéis – Uma História de Boneca, da autoria de Fátima Pinto Leite
LANÇAMENTO: dia 2 de Novembro (sáb.), às 16h30, na Biblioteca da Câmara Municipal de Gavião

26/10/2019
MUNDO(S) – Livros 6 – Coletânea de Poesia Lusófona
LANÇAMENTO: 26 de Outubro (sáb.), às 16h00, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Apresentação dos autores e da obra por Ângelo Rodrigues

26/10/2019
O MARQUÊS DE POMBAL E A FAMÍLIA TÁVORA
LANÇAMENTO: 26 de Outubro de 2019, às 15h00, no Hotel Solverde – Granja, em Espinho

19/10/2019
DESENHO INFANTIL, da autoria de Orlando Fialho
LANÇAMENTO: dia 19 de Outubro de 2019 (Sábado), às 18h15, no Holiday Inn Lisbon-Continental, em Lisboa. Apresentação: Dr.ª Maria Fernanda Alexandre

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99