Glacê com Bolinhas Prateadas




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Numa pequena cidade montanhosa do interior do país e no seio de uma família agreste e de corações vazios, a jovem Deolinda é forçada a casar aos catorze anos com um hóspede residente na pensão dos pais, apenas, porque um dia a mãe a viu conversar com o rapaz. ¶ Criança ainda, correndo atrás dos animais do circo que visita a cidade, sem entender as ironias da vida e sem tempo para crescer, contrafeita, Deolinda tem que trocar as bonecas de trapos, com que brincava fingindo de mãe, pela verdadeira boneca que chora de noite e não a deixa dormir, desenvolvendo uma personalidade ofensiva, possessiva, hostil e ignorante. ¶ O seu destino estava predestinado a cruzar-se com os hóspedes da pensão dos pais e, aos vinte anos, uma paixão arrebatadora e irresponsável, onde tudo é possível acontecer, Deolinda expõe o marido e as filhas a situações tão medonhas, abomináveis e insustentáveis num jogo de tudo ou nada, que as suas vidas, destroçadas, criam estigmas devastadores que cada um deles albergará com a força de ser capaz de enfrentar o futuro. ¶ Inês, a filha mais velha, com a história retalhada e a vida em sofrimento, segue atalhos e caminhos onde a escuridão é sombria e a tristeza se esconde na receita da ternura. Vive entre a verdade e a mentira, aceita a morte na vida onde a saudade do que desconhece é a força que a fará erguer e alcançar o bolo da sua existência, decorado com glacé cor-de-rosa e bolinhas prateadas, recheado de creme amargo, feito de pedaços de vida, dum tempo que não se divide em fatias. ***************************************************** Quando Deolinda tinha cerca de doze anos de idade veio hospedar-se na pensão um jovem, com vinte e quatro anos, de nome Eduardo. ¶ Tinha chegado à cidade para trabalhar. Tal como eu vim a fazer anos mais tarde, também Deolinda, desde muito cedo, começou a servir à mesa e no balcão do bar. Os hóspedes, todos rapazes, como Manuel exigia, brincavam com ela, pela sua tenra idade e habilidade em ajudar no serviço. Este novo “hóspede”, Eduardo, o primeiro na vida dela, era um rapaz bonito e simpático. A ligação entre eles ia aumentando à medida que o tempo passava, e ninguém tinha tempo para perceber.

Índice:

AUTORIA:

ALBERT E. MARCUS chegou às paisagens serranas em dezembro de 1900. • Albert e. Marcus cresce a suportar o frio gelado e aprende a manter congelados os seus sentimentos. • Do alto dos seus olhos verdes, assiste ao encontro e ao desencontro de gerações e não resiste a escrever este romance.

Detalhes:

Ano: 2019
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 204
Formato: 23x16
ISBN: 9789896898540
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
20/07/2019
SANTA ISABEL DE PORTUGAL, da autoria de Aires A. Nascimento
LANÇAMENTO/Homenagem: dia 20 de Julho de 2019 (Sábado), às 12h00, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99