O Cinema Português

A distribuição no Espaço Europeu




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Raúl Avelar
Colecção: Fotografia & Cinema

Sinopse:

Este trabalho procurou detectar quais os constrangimentos existentes ao nível do cinema português no espaço europeu, através de uma análise transdisciplinar, Pois se considera que a compreensão desta problemática não pode ser confinada a uma só dimensão, passando por uma convocação de diferentes áreas do saber, assim como pela reflexão em torno da especificidade histórica e cultural quer da experiência portuguesa quer da que se prende com o espaço europeu em que esta se insere. Nesse sentido, procurou-se fazer uma análise das diversas vertentes que compõem o cinema português enquanto indústria, desde a sua evolução histórica, evocando conceitos como multiculturalismo e transculturalidade, passando para um levantamento de questões relativas à cultura visual, reflectindo sobre o impacto das novas tecnologias no cinema, e sobre a influência da indústria cinematográfica americana no cinema europeu. ¶ De seguida, seguiu-se a análise da legislação portuguesa sobre cinema, os programas de apoio, nacionais e europeus, à distribuição do cinema português. ¶ Por fim, analisa-se a distribuição do cinema em Portugal, assim como a relação entre produção e distribuição, a distribuição do cinema português no estrangeiro e a relação entre a distribuição e os programas de apoio no sector. ¶ Para melhor contextualização procedeu-se à análise de estudos de caso – grupo Paulo Branco, Ukbar Filmes e António Pedro de Vasconcelos. ******************************************************** “A realidade do cinema enquanto indústria apresenta diversas complexidades, (...) [ali], sublinho que, na minha perspectiva, a indústria cinematográfica portuguesa, por muito pequena que seja, constitui uma indústria. Com efeito, considero que encarar a realidade cinematográfica como algo menos que uma indústria tem implicações que se podem, a meu ver, reflectir negativamente a longo prazo no cinema português. ¶ Por outras palavras, a natureza dupla do cinema, na minha opinião, torna redundante a questão, o cinema português é artesanal ou uma indústria? Creio que o essencial é procurar o equilíbrio entre a faceta cultural e económica, tanto ao nível das políticas como da própria forma de actuação dos agentes.”

Índice:

Prefácio, de Salvato Teles de Meneses

Agradecimentos

Introdução

Capítulo I – Desenvolvimento do quadro teórico do trabalho: o cinema nacional, o multiculturalismo e a transculturalidade

Capítulo II – A cultura visual como base do cinema enquanto elemento cultural e a sua relação com os novos meios de comunicação; relação entre o cinema europeu e o cinema americano
2.1. cultura visual e quotidiano
2.2. espaços alternativos (concorrentes com o do) ao cinema, e sua relação com os objectos/instrumentos alternativos ao espaço da sala de cinema
2.3. a tradição narrativa do cinema americano, análise de certos aspectos específicos como os efeitos especiais e poderosos meios da indústria; em contraponto com as principais características do cinema europeu, como a “teatralidade” e a escassez dos meios
2.4. a evolução do cinema no espaço europeu na segunda metade do século XX como reflexo da influência da indústria norte-americana

Capítulo III – Evolução do cinema português e da legislação
com ela relacionada
3.1. contextualização da temática legislativa e da sua relação com o cinema português
3.2. Breve resumo evolução do cinema português ao longo do século XX
3.3. Análise do direito internacional que regula o sector
3.4. Evolução legislativa na área em Portugal
3.4.1. Apresentação das principais leis de sector até 2004
3.4.2. Análise da actual lei do cinema
3.5. A legislação portuguesa como reflexo da evolução do cinema português e do contexto comunitário

Capítulo IV – Análise de programas de apoio à distribuição
4.1. Os programas de apoio europeus e sua relação com a legislação europeia
4.2. A distribuição de cinema no espaço europeu em face da concorrência do modelo norte-americano
4.3. Apresentação de programas europeus, do seu modo de funcionamento, da evolução do seu funcionamento e do seu impacto
no mercado nacional – escassez de meios no mercado europeu
4.3.1.1. o Programa Media
4.3.1.2. o Fundo Eurimages
4.3.2. o futuro destes programas
4.3.3. filmes mais apoiados e sua relação com a tradição do cinema europeu – possíveis tendências na atribuição de apoios
4.4. apresentação de programas nacionais de apoio, seu funcionamento e impacto no mercado
4.4.1. ICA
4.4.2. Instituto Camões
4.5. comparação entre apoios nacionais e europeus; análise da influência da legislação europeia na criação de programas de apoio comunitários
4.6. As redes europeias, uma saída para o domínio americano?

Capítulo V – Análise do processo da distribuição do cinema em Portugal
5.1. apresentação da temática da distribuição e enquadramento histórico da análise de dados estatísticos
5.2. relação entre a produção e a distribuição de cinema
5.2.1. breve apresentação de dados de produção de cinema em Portugal como aprofundamento da temática dos apoios financeiros
5.2.2. desenvolvimento da relação entre a produção e a distribuição do cinema em Portugal
5.3. evolução do processo de distribuição e das distribuidoras desde 1999 até 2010
5.3.1. configuração do mercado de distribuição na viragem do século e a sua evolução
5.3.2. evolução do mercado de distribuição nacional desde 2004 até 2010
5.4. distribuição e discursos dominantes

Capítulo VI – Distribuição de cinema português no estrangeiro e a relação entre a distribuição e as formas de financiamento disponíveis no sector
6.1. como se processa a distribuição de cinema em países estrangeiros
6.2. evolução da distribuição de filmes portugueses no estrangeiro entre 2004 e 2011
6.3. comparação com o número de produções nacionais e com os meio de distribuição em circuitos alternativos em Portugal como uma forma de potenciar o lucro
6.4. relação entre a distribuição e os apoios concedidos
pelo Estado

Capítulo VII – Apresentação dos estudos de caso: grupo Paulo Branco, Ukbar Filmes e António-Pedro Vasconcelos
7.1. o grupo Paulo Branco, o produtor enquanto autor
7.1.1. resumo da carreira de Paulo Branco, incluindo análise de tópicos como a distribuição, rede de salas e a política de escolha de filmes
7.1.2. tópicos diversos como a distribuição internacional, parcerias internacionais com outras produtoras, relação com outras empresas do sector em Portugal
7.1.3. análise dos constrangimentos que existem no mercado português e formas de lidar com os mesmos; impacto dos programas de apoio, tanto europeus como nacionais, na actividade das empresas do grupo
7.2. a Ukbar Filmes – produtora e distribuidora independente
7.2.1. informação geral acerca da empresa, política de escolha de filmes, distribuição no estrangeiro
7.2.2. análise dos constrangimentos que existem no mercado português e formas de lidar com os mesmos
7.3. António-Pedro Vasconcelos – o olhar de um cineasta
7.3.1. resumo da sua carreira
7.3.2. situação da indústria cinematográfica portuguesa
7.3.3. a questão dos apoios prestados pelo Estado
7.4. comparação entre os estudos de caso – análise de tópicos comuns e de tópicos relacionados com o resto deste trabalho

Conclusão

Bibliografia

Índice Temático

Índice Onomástico

Anexo – Transcrição das entrevistas


ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1. O coelho-pato
Figura 2. Distribuição dos apoios fundo Eurimages em 2011
Figura 3. Evolução dos apoios do Estado entre 2004 e 2010
Figura 4. Comparação entre géneros de filme
Figura 5. Evolução do número de filmes de autoria nacional
Figura 6. Número de filmes estreados por distribuidor
Figura 7. Número de espectadores por distribuidor
Figura 8. Nacionalidade das estreias em Portugal
Figura 9. Número de estreias por país
Figura 10. Evolução do subsídio do ICA
Figura 11. Evolução do número de filmes apoiados
Figura 12. Longas-metragens estreadas por distribuidora
Figura 13. Subsídio médio por filme


QUADROS

Quadro 1. Os filmes portugueses mais vistos na década de 1980 em Portugal
Quadro 2. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2004
Quadro 3. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2005
Quadro 4. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2006
Quadro 5. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2007
Quadro 6. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2008
Quadro 7. Apoio à distribuição de filmes nacionais no
estrangeiro em 2009
Quadro 8. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2010
Quadro 9. Apoio à distribuição de filmes nacionais no estrangeiro em 2011


* * * * *


AUTOR:

RAÚL AVELAR formou-se em Direito pela Universidade Católica, em 2011, tendo ingressado no Mestrado de Cultura e Sociedade na Europa da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no mesmo ano. Posteriormente realizou uma pós-graduação em Gestão Cultural pelo ISCTE, em 2013, tendo trabalhado como jurista e investigador para a Sociedade Portuguesa de Autores, entre esse ano e 2017.
Actualmente, após ter estagiado como jornalista em 2010, elabora recensões de álbuns musicais para uma publicação on-line e lecciona música, enquanto prossegue os estudos na licenciatura de Música, vertente Jazz, na Universidade de Évora.

Detalhes:

Ano: 2020
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 314
Formato: 23x16
ISBN: 9789896898991
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
31/08/2020
FÉRIAS EM AGOSTO
Estimado(a)s Clientes e Amigo(a)s Encerramos para férias entre 1 e 31 de Agosto, por isso não podemos satisfazer quaisquer encomendas neste período. A partir de 1 de Setembro retomamos a nossa actividade normal. Pedindo desculpas por eventuais incómodos, agradecemos a vossa preferência... COLIBRI com gosto, para LER também em AGOSTO!

31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99