Castanheira – Gente que Resiste

História e património cultural das povoações da Serra do Açor




Recomendar livro a um amigo

Sinopse:

Este livro é um contributo para dar a conhecer a história da actual aldeia de Castanheira da Serra, na Serra do Açor, pertencente ao concelho de Pampilhosa da Serra. Partindo do local, entretece-se a história da aldeia com a história da região e, ainda, com a história de Portugal, surpreendendo a sua relação com os centros de poder ou com dinâmicas mais vastas. Explicando a forma como os moradores da Castanheira foram resistindo ao longo dos tempos, este livro recupera os seus quotidianos, a relação com a casa e o trabalho, com os seus saberes e com a utilização de tecnologias fundamentais para a sua sobrevivência. Aqui se constrói um retrato daqueles que tantas vezes estão ausentes da história, recuperando a força e as vontades na construção de uma comunidade. ********************************************************** A história de um pequeno lugar é, também ela, o reflexo de muito do que se passava a nível regional que, por sua vez, tem de ser analisado numa perspectiva mais abrangente e integradora. Por mui-to isolada que esteja uma localidade, estabelecem-se diversas relações com os poderes instituídos e que condicionam também, de diversas formas, os modos de vida daquelas gentes. ¶ É nesse sentido que a história da Castanheira pode contribuir para compreender alguns quotidianos de quem lá nasceu e viveu. E, desse modo, permitir alargar o olhar para outras pequenas aldeias do interior do País, na Beira, e perceber como viviam, ou seja, como conseguiam superar as adversidades geográficas, climáticas e outras e, igualmente, como transmitiam saberes e formas de utilização de tecnologias fundamentais para a sua sobrevivência.

Índice:

Notas introdutórias

I. A serra e as suas condicionantes
1.1. A Serra do Açor
1.2. As comunicações

II. A influência dos Crúzios
2.1. Senhores de Fajão e das suas terras
2.2. A castanha, a subsistência, e o que sendo comum nos séculos XIII e XIV encontrou ainda expressão no século XX

III. Gentes que resistiram (séculos XVI a XIX)
3.1. A casa
3.2. Os novos alimentos
3.3. A ermida dedicada a São Tiago
3.4. “Terra de poucas leis e de muita dureza, em que a força prevalecia sobre o direito, e a ousadia sobre a cultura”
3.5. Extinguem-se as ordens religiosas. E agora?

IV. Tempos mais recentes (1900-1975). A Castanheira em diferentes testemunhos
4.1. Comunicar de outros modos. A mala directa e a taberna
4.2. De novo a casa
4.3. A aldeia foi-se esvaziando de braços
4.4. A comissão e a subcomissão local: a luta contra a adversidade
4.5. A luz que não chega

Continuar

Fontes e bibliografia


* * * * *


AUTORA:

RAQUEL PEREIRA HENRIQUES é doutorada em História Cultural e das Mentalidades Contemporâneas pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde é actualmente professora auxiliar e investigadora do Instituto de História Contemporânea. Trabalhou temas relacionados com o mobiliário português, a história da educação e o Estado Novo. Publicou, entre outras obras, Discursos legais e práticas educativas – ser professor e ensinar História (1947-1974), Viver e resistir no tempo de Salazar, histórias de vida contadas na 1.ª pessoa (em co-autoria), José Magalhães Godinho, um construtor da democracia.

Detalhes:

Ano: 2020
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 148
Formato: 23x16
ISBN: 9789896899851
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
03/12/2020
MUNDO(S) – Livros 9 – Coletânea de Poesia Lusófona
APRESENTAÇÃO: dia 3 (5ª feira) de dezembro, pelas 21h30, via ZOOM

31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99