Campo Maior no Centro de um Conflito Internacional

nas primeiras décadas do séc. XIX




Recomendar livro a um amigo
Autoria: Rui Rosado Vieira

Sinopse:

As últimas décadas do Séc. XVIII e as primeiras do século seguinte foram, em Portugal, Espanha, noutros países europeus, e no continente americano, tempos de guerra, de intensos conflitos sociais, de alteração de regimes políticos e de nascimento de novas nações independentes. ¶ ▶ Tal onda de acontecimentos causou em Portugal pesadíssimos danos em bens e vidas das populações. Prejuízos e sacrifícios que não atingiram igual gravidade na generalidade das aldeias, vilas e cidades do país. ¶ ▶ Campo Maior, aglomerado rural situada junto à raia, a uma dúzia de quilómetros de Badajoz, vai ter participação, com custos elevadíssimos, em todos aqueles sucessos históricos. ¶ ▶ Os seus jovens, forçados pelas circunstâncias, vão trocar durante longos anos as roupas civis e os utensílios agrícolas pelas fardas militares e pelos piques e fuzis. Só no ano de 1808 foram criadas na vila duas unidades militares – o Regimento de Infantaria N.º 10 e o Batalhão de Caçadores N.º 5 –, formadas por naturais de concelhos do Alto Alentejo, sobretudo por campomaiorenses. ¶ ▶ A vila cercada e tomada, em 1801 pelos espanhóis – onde em 1808 uma revolução patriótica contra a presença francesa saiu vitoriosa – e, novamente sitiada e ocupada, pelos franceses, em 1811, transforma-se durante a Guerra Peninsular numa espécie de mega quartel na qual, por períodos curtos ou longos, se acomodam largos milhares de soldados das mais diferentes nacionalidades. ********************************************************** A denominada “Guerra das Laranjas” e o Cerco de Campo Maior, em 1801; a primeira invasão francesa, com apoio do exército espanhol, em 1807-1808; a Revolução patriótica, em Julho de 1808; a participação de soldados de Campo Maior, ao lado do exército de Napoleão, nas campanhas do Leste Europeu, em 1808-1814; a presença de militares do antigo Regimento de Campo Maior nos confrontos surgidos no Uruguai e no Brasil, em 1816-1822; os reflexos da 2.ª e 3.ª Invasões Francesas na Vila; as campanhas militares do Regimento de Infantaria N.º 20 e do Batalhão de Caçadores N.º 5; e a turbulência política, ocorrida em Campo Maior entre os anos 1824-1834, constituem os temas centrais do presente estudo. ¶ ▶ Estes acontecimentos, pela perda de vidas humanas, destruição de bens e instabilidade social entre a população, representam uma das épocas mais trágicas da história de Campo Maior.

Índice:

DEDICATÓRIA

I – NOTA PREAMBULAR

II – O TERRITÓRIO, A POPULAÇÃO E AS ACTIVIDADES ECONÓMICAS
1. O Território
2. A População
3. As Actividades Económicas

III – A MILITARIZAÇÃO DA VILA E DOS SEUS HABITANTES
1 – As primitivas Guarnições Militares de Campo Maior
2 – Os Regimentos de Infantaria e de Cavalaria em Campo Maior entre 1767 e 1771
3 – As origens do Corpo de Infantaria
4 – As Fortificações de Campo Maior nos primeiros decénios do Séc. XIX

IV – OS ANTECEDENTES DAS INVASÕES FRANCESAS
1 – A Guerra das Laranjas e o Cerco de Campo Maior, em 1801

V – A 1.ª INVASÃO FRANCESA E A OCUPAÇÃO DE CAMPO MAIOR EM FINAIS DE 1807

VI – A REVOLUÇÃO PATRIÓTICA DE CAMPO MAIOR EM 1808
1 – Preparação do levantamento contra a ocupação francesa
2 – A entrada na Vila de tropas espanholas em seu socorro
3 – A criação da “Junta de Governo Provisional” e de seus Departamentos
4 – Por terras do norte alentejano apelando à insurreição
5 – Visita de uma delegação da Junta de Governo de Campo Maior à “Junta Provisional do Governo Supremo” de Portugal, sediada no Porto
6 – As relações entre a Junta de Campo Maior e a Junta Suprema da Extremadura Espanhola
7 – A ação governativa da Junta de Campo Maior

VII – PARTICIPAÇÃO DE UM REGIMENTO DE CAMPO MAIOR NA DEFESA DO TERRITÓRIO ESPANHOL EM 1810-1812
1 – O Regimento de Infantaria n.º 20
A – Composição do Regimento
B – Campanhas do Regimento de Infantaria n.º 20 nas primeiras décadas do séc. XIX
O Destacamento em Cádis
A Batalha de Chiclana ou da Barrosa
As acções militares em Sevilha, Trujilho e São Muñoz
As “baixas” e a retirada rumo a Portugal
A indisciplina, as deserções e os conselhos de guerra
As singularidades dos lugares de campanha

VIII – O BATALHÃO DE CAÇADORES DE CAMPO MAIOR OU BATALHÃO DE CAÇADORES N.º 5
1 – As Campanhas do B. C. N.º 5, nas primeiras décadas do Séc XIX

IX – OS COMBATES PELA POSSE DAS PRAÇAS DE CAMPO MAIOR E BADAJOZ (1809-1812)
1 – O estacionamento de tropas estrangeiras em Campo Maior (1809-1811)
2 – O sítio e tomada de Campo Maior pelos franceses em 1811
3 – Campo Maior e as ofensivas contra Badajoz ocupada pelos Franceses, em 1811
4 – Cerco e assalto a Badajoz pelos Aliados em 1812
5 – Os comportamentos sociais da população face à Guerra

X – A “LEGIÃO PORTUGUESA” AO SERVIÇO DE NAPOLEÃO (1808-1814)

XI – A DIVISÃO DOS “VOLUNTÁRIOS REAIS” (1816-1822)

XII – A TURBULÊNCIA POLÍTICA EM CAMPO MAIOR (1824-1834)

XIII – NOTAS BIOGRÁFICAS DE ALGUNS PROTAGONISTAS DESTA NARRATIVA

XIV – CONCLUSÕES

ABREVIATURAS

ILUSTRAÇÕES

ANEXOS
A – Ordem do dia sobre a conduta do R. I. N.º 20, na Batalha de Chiclana, em 1811
B – Número de militares do R. I. N.º 20, por local de falecimento, em 1810-1812
C – Relação dos militares do R. I. N.º 20, naturais de Campo Maior, por ordem alfabética, mortos em combate ou por doença (1810-1812)
D – Militares de R.I. N.º 20 por naturalidade, falecidos durante a campanha em Espanha, (1810-1812)
E – Relação por ordem alfabética, dos militares do R. I. N.º 20, falecidos em Espanha (1810-1812)
F – Relação manuscrita dos militares do R. I. N.º 20, mortos, feridos e extraviados na Batalha de Chiclana
G – Mapa da posição geográfica do B. C. N.º5
H – “Os Dragões da Luz de Inglaterra”, poema de Walter Scoot, traduzido para português
I – Idem, em língua inglesa
J – Partitura de Ludwig van Beethoven
L – Rosto do livro que divulga a obra musical e poética alusiva ao recontro ocorrido em Campo Maior, em 25 Março de 1811
M – Relação, por ordem alfabética, dos oficiais, sargentos e praças do novo Regimento N.º 4, naturais de Campo Maior, na Legião Portuguesa ao serviço de Napoleão, em França, Alemanha, Áustria e Rússia, nos anos 1808-1813
N – Assinaturas de oficias do exército miguelista
O – Carta de Francisco Cesário R. Moacho ao ministro Miguel Pereira Forjaz

BIBLIOGRAFIA
Fontes manuscritas
Fontes específicas impressas

ÍNDICE TOPOGRÁFICO


* * * * *


O AUTOR:

RUI ROSADO VIEIRA é natural de Campo Maior, Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa em 1983, Pós-Graduado em História Regional e Local pela mesma Faculdade em 1995 e Professor de História do Ensino Secundário, Aposentado.
▶ É autor de mais de três dezenas de estudos históricos, a maioria dos quais sobre a sua vila natal e sobre outras povoações alentejanas, publicados em livros e em revistas da especialidade.

Detalhes:

Ano: 2020
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 314
Formato: 23x16
ISBN: 9789895660254
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
31/12/2019
POLÍTICA DE PRIVACIDADE E PROTECÇÃO DE DADOS (RGPD)
RGPD: Como é do conhecimento público, o novo Regulamento Geral de Proteção de Dados é aplicável desde 25 de maio 2018 em todos os Estados-Membros da União Europeia. Navegar no nosso site implica concordar com a nossa política de privacidade (ver AQUI: https://drive.google.com/file/d/1DiXJS-AUwZBB7diQJS5xWrFBDLedWG9c/view). Se não concordar, pode contactar-nos pelos canais alternativos: e-mail ou telefone.

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99