Povoamento e Propriedade

Entre o Zêzere e o Tejo (séc. XII XIV)




Recomendar livro a um amigo
Colecção: Colibri História

Sinopse:

… há territórios em Portugal que urgem o trato dos Grandes Historiadores: o triângulo espacial de Entre o Zêzere e o Tejo e a fronteira com o país vizinho é um deles. ¶ Apesar de poder ocupar-se dos fenómenos repetíveis, as cheias, as secas, os sismos, o esgotamento de dados recursos, o trabalho essencial do historiador é a descoberta do homem ator no contexto do passado: o território em que vive e a respetiva administração, os recursos e a sua gestão, a concernente organização social, a esfera cultural e a doutrinária, os imaginários e o numinoso, numa palavra, a saga humana. ¶ À interrogação do estado do espaço beirão em causa nos séculos XII-XIV, a doutora Maria da Graça Vicente responde com um formidável levantamento documental e diz-nos muito. O núcleo do trabalho […] mostra-nos um espaço a repovoar-se nos séculos em causa sob o sistema senhorial e confirma a ideia do movimento Norte/Sul da Reconquista no século XII […]. A organização territorial dependeu: da organização concelhia em que D. Sancho I enquadrou os recém-chegados; das Ordens Militares que auxiliaram a Reconquista; e da Sé Egitaniense, que representava o lastro antigo, visigótico e moçárabe […].¶ Fica, pois, adiante, […] um renovado espelho de um grande pedaço do mundo medieval beirão: como os homens se relacionavam com a terra e esta ditava as suas hierarquias de acordo à dimensão dos recursos explorados. A autora prestou uma particular atenção, nunca antes dada, à Ordem do Hospital, pois os seus territórios cortavam este espaço de leste para oeste, formando um enclave de considerável dimensão, trazendo à colação muita documentação original. ¶ [António dos Santos Pereira, (do Prefácio)] ¶¶ A doação da Idanha e Monsanto, à Ordem do Templo (1165), definiu um espaço imenso entre três rios, o Zêzere, o Tejo e o Erges, seguindo-se a criação do grande município da Covilhã, e outorga do respetivo foral (1186) que alargava os territórios de Portugal nesta região. Seguiram-se duas outras doações que ampliaram, por vezes sobrepondo-se, o campo de acção da “jovem” monarquia portuguesa, nas duas margens do Tejo. Referimo-nos às doações das terras da Guidimtesta (1194) e da Herdade da Açafa (1199) que ajudaram a desenhar um núcleo capaz de ser caracterizado como de senhorial e municipal. Nele foram sendo inscritas as marcas evidentes da presença e esforço das gentes que, na sua apropriação e adaptação ao meio natural, lentamente o transformaram em paisagens humanizadas.

Índice:

PREFÁCIO

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – OS ESPAÇOS FÍSICOS – PATRIMÓNIO NATURAL E CONSTRUÍDO
1. O espaço geográfico
1.1. Locais de passagem
1.2. Condições de defesa e segurança
1.3. A Casa rural e urbana
2. A progressiva ocupação do espaço
2.1. Redes de povoamento
3. O Campo Albicastrense – a presença Templária
4. O “Pinhal Sul” – a presença Hospitalária
5. A Cova da Beira – terras regalengas e poder concelhio

CAPÍTULO II – PRIMEIRA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA
1. Forais e Cartas de Povoamento
1.1. Os forais – modelo e normativa

CAPÍTULO III – ECONOMIA E SOCIEDADE
1. Esboço demográfico
2. Origem geográfica dos povoadores
3. Grupos Sociais em Presença
3.1. O Clero
3.1.1. Clero secular/clero regular – relação e conflito
3.2. A Nobreza
3.3. As Gentes
3.3.1. Lavradores e pastores
3.3.2. Almocreves e mercadores
3.3.3. Oficiais: mecânicos e letrados

CAPÍTULO IV – A DIVISÃO DA TERRA
1. Propriedade régia
2. Propriedade da nobreza
3. Propriedade das ordens religiosas
3.1. Ordem do Templo/Cristo
3.2. Ordem do Hospital
3.3. Ordem de Avis
3.4. Mosteiro de Santa Maria da Estrela
3.5. Mosteiro de Salzedas
3.6. Cónegos regrantes
3.7. Convento de S. Francisco da Covilhã
4. A propriedade da Igreja secular
4.1. Sé de Coimbra
4.2. Sé da Guarda
5. A propriedade das instituções de assistência
5.1. Albergarias
5.2. Gafarias
6. A propriedade dos Concelhos e pequenos proprietários
6.1. Concelhos
6.2. Pequenos proprietários

CAPÍTULO V – O TRABALHO
1. Agricultura
1.1. Os cereais
1.2. A vinha e o vinho
1.3. Frutas e legumes
1.4. O linho
1.5. A oliveira
2. Pecuária e pastorícia
2.1. A prática da transumância
2.2. Florestas e incultos – Caça, pesca, apicultura
3. Actividades transformadoras
4. Comércio e seus agentes
4.1. Produtos de compra/venda. As Feiras
4.2. Rotas: mercadores e almocreves
4.3. Rede viária: estradas, caminhos e pontes

CAPÍTULO VI – CULTO E ASSISTÊNCIA
1. Os cristãos
2. Os judeus
3. Cobertura assistencial
3.1. Albergarias
3. 2. Gafarias

CAPÍTULO VII – A RELAÇÃO COM O PODER CENTRAL
1. Intervenção régia e conflitualidade
2. Participação nas Cortes – O diálogo com o Rei

CONCLUSÃO
Siglas e Abreviaturas Usadas
FONTES E BIBLIOGRAFIA



Data de Publicação: DEZEMBRO DE 2015


A AUTORA:

Maria da Graça Antunes Silvestre Vicente – Mestre e Doutorada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a que continua ligada através do Centro de História da Faculdade de Letras. Académica Correspondente da Academia Portuguesa da História; Membro da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais e do Centro de Investigação Professor Doutor Joaquim Veríssimo Serrão. ¶ Tem-se dedicado ao estudo da História Regional e Local, bem como da Política, Economia e Sociedade. Autora de vários trabalhos individuais e colectivos sobre essas temáticas, de que resultou um conjunto de publicações – entradas de dicionários, artigos publicados em revistas nacionais e estrangeiras –, entre as quais se destaca: Covilhã Medieval. O Espaço e as Gentes (Séculos XII a XV), Edições Colibri |Academia Portuguesa da História, 2012 (prémio Augusto Botelho da Costa Veiga, 2012).

Detalhes:

Ano: 2016
Capa: capa mole
Tipo: Livro
N. páginas: 388
Formato: 23x16
ISBN: 978-989-689-552-5
Comentários de utilizadores

Não existem Comentários


Adicionar Comentário
carrinho de compras
notícias
30/05/2018
MÚSICA CATÓLICA EM MACAU NO SÉCULO XX, da autoria de Dai Dingcheng
LANÇAMENTO: Dia 30 de Maio de 2018 (4.ª feira), às 18h30, no Centro Científico e Cultural de Macau, em Lisboa

25/05/2018
MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade de Portugal, de Margarida Tengarrinha
APRESENTAÇÃO: Dia 25 de Maio de 2018 (6.ª feira), às 18h00, na Universidade Popular do Porto. Apresentação: Doutor Manuel Loff e Doutor Silvestre Lacerda

23/05/2018
A NOITE MAIS LONGA, de Helena Pato
LANÇAMENTO: Dia 23 de Maio de 2018 (4.ª feira), às 18h00, (LOCAL A DESIGNAR). Apresentação: Prof.ª Doutora Irene Pimentel

15/05/2018
MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade de Portugal, de Margarida Tengarrinha
APRESENTAÇÃO: Dia 15 de Maio de 2018 (3.ª feira), às 18h30, no Museu do Aljube, Resistência e Liberdade, em Lisboa.Apresentação: Helena Pato

10/05/2018
MEMÓRIAS DE UM ESTRANGEIRADO, de autoria de João Medina
LANÇAMENTO: Dia 10 de Maio de 2018 (5.ª feira), às 18h30, na Livraria Leya na Buchholz, em Lisboa. Apresentação: Prof. Doutor Álvaro Manuel Machado

04/05/2018
VIAGENS IMPERFEITAS, da autoria de António Eloy
LANÇAMENTO: Dia 04 de Maio de 2018 (6.ª feira), às 18h00, na Livraria “Palavra do Viajante”, em Lisboa. Apresentação: Carlos Cupeto

03/05/2018
A PIDE NO XADREZ AFRICANO, de María José Tíscar
APRESENTAÇÃO: Dia 3 de Maio de 2018 (5.ª feira), às 15h00

26/04/2018
MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade de Portugal, de Margarida Tengarrinha,
APRESENTAÇÃO: Dia 26 de Abril de 2018 (5.ª feira), às 15h30, no Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, em Lisboa

20/04/2018
OPERAÇÃO "VIRAGEM HISTÓRICA" (2.ª ed.) - 25 de Abril de 1974
APRESENTAÇÃO: Dia 20 de Abril de 2018 (6.ª feira) às 16h00, na Salão Nobre do Quartel de Santo Ovídeo, no Porto. Tenente-General Eduardo Augusto Carneiro Teixeira

29/07/2013
Colibri no Facebook
A nossa página no Facebook www.facebook.com/EdicoesColibri

31/05/2013
CONTACTO
Contacto telefónico 21 931 74 99